Correio da Manhã

Professores portugueses são dos mais velhos e mais bem pagos segundo a OCDE
Foto Getty Images
Aula
Foto CMTV
Foto Pedro Noel da Luz
Foto Getty Images
Sala de aula
Foto Getty Images
Sala de aula
Por Lusa | 10:00
  • Partilhe
Também os diretores das escolas estão entre os que ganham mais.

Os professores das escolas portuguesas, assim como os diretores ganham, em média, mais do que outros trabalhadores com formação superior, uma tendência que contraria a maioria dos países da OCDE, revela um relatório esta terça-feira divulgado.

Segundo o relatório "Education at a Glance 2018", da Organização para a Cooperação e Desenvolvimento Económico (OCDE), "ao contrário da maioria dos países da OCDE, os professores em Portugal ganham mais do que os restantes trabalhadores com formação superior. Comparativamente, também os diretores das escolas estão entre os que ganham mais".

Os dados esta terça-feira revelados mostram que só os professores do Luxemburgo recebem mais do que os portugueses quando se compara o seu rendimento médio com os salários de trabalhadores com formação superior semelhante.

Luxemburgo, Portugal e Grécia são os três países que surgem no topo desta lista comparativa da OCDE, que coloca ainda os alemães e os finlandeses em 4.º e 5.º lugares.

Por cá, "os professores ganham, desde o ensino pré-escolar até ao secundário, mais do que os outros trabalhadores com formação superior, variando entre 35% mais no ensino básico e secundário até 50% mais no ensino pré-escolar", lê-se no estudo.

PUBLICIDADE
No entanto, esta é uma situação que não pode ser dissociada da idade dos professores, já que o salário vai aumentando com os anos de serviço e experiência.

E, nesse campo, Portugal tem a classe docente mais envelhecida da OCDE: Entre 2005 e 2016, as escolas portuguesas viram aumentar em 16 pontos percentuais os docentes com mais de 50 anos, ao passo que nos restantes países, o envelhecimento foi, em média, de apenas três pontos percentuais.

Em 2016, apenas um por cento dos professores das escolas do ensino básico e secundário portuguesas tinha menos de 30 anos, enquanto na OCDE representavam 11%. Já os docentes com pelo menos 50 anos eram 38% do total dos portugueses.

Em Portugal, "o salário de um professor que está no topo da carreira é duas vezes superior ao de um professor em início de carreira", segundo contas feitas pela OCDE.

PUBLICIDADE
Quando começam a trabalhar, todos os docentes portugueses recebem cerca de 28.500 euros anuais, independentemente de estarem numa sala da pré-primária ou com alunos do secundário.

Uma realidade diferente da de muitos países da OCDE, uma vez que a média dos vencimentos vai aumentando consoante se vai estando responsável por ensinar uma turma de alunos mais velhos.

Os números do relatório mostram que no pré-escolar os professores da OCDE ganham, em média, menos do que os portugueses, mas no secundário já têm um ordenado superior.

No caso dos diretores, o vencimento em Portugal chega a ser o dobro quando comparado com outros trabalhadores com a mesma formação académica, independentemente de estarem à frente de uma escola de ensino pré-primário ou uma secundária, segundo as contas apresentadas no relatório.

"Este rácio é um dos mais elevados da OCDE e muito acima da média da OCDE", lê-se no documento, que sublinha que um salário atrativo é um "passo importante para recrutar, desenvolver e manter professores altamente qualificados e capazes".

PUBLICIDADE
Os docentes portugueses aparecem no relatório como um grupo privilegiado em relação aos colegas estrangeiros no que toca ao horário: "Em Portugal, os professores desfrutam de um horário mais leve do que a média da OCDE e têm, comparativamente, mais tempo para atividades não docentes, como preparar aulas e corrigir trabalhos de casa".

Por exemplo, os professores portugueses do ensino secundário têm de dar 616 horas de aulas por ano, enquanto a média na OCDE é de 701 horas anuais. Cá, os docentes têm de estar 920 horas na escola, enquanto a média nos países analisados é de 1.178 horas anuais, segundo as contas apresentadas no relatório.

No entanto, também aqui é preciso ter em conta o fator "idade", uma vez que a carga de trabalho e as exigências vão evoluindo ao longo da carreira e, em Portugal, um país com uma classe bastante envelhecida, os professores têm direito a uma redução de carga horária após determinados anos de serviço.

Siga o CM no Facebook.

  • Partilhe
PUBLICIDADE
PUBLICIDADE