Barra Cofina

Correio da Manhã

Sociedade
2

Chuva intensa deixa Lisboa em alerta vermelho com uma morte e centenas de ocorrências registadas

Uma mulher, de 75 anos, morreu esta quinta-feira numa cave inundada pela chuva no Dafundo, onde vivia, no concelho de Oeiras.
Lusa 8 de Dezembro de 2022 às 10:16
Chuva intensa deixa Lisboa em alerta vermelho
Chuva intensa deixa Lisboa em alerta vermelho
Chuva intensa deixa Lisboa em alerta vermelho
Chuva intensa deixa Lisboa em alerta vermelho
Chuva intensa deixa Lisboa em alerta vermelho
Chuva intensa deixa Lisboa em alerta vermelho
Chuva intensa deixa Lisboa em alerta vermelho
Chuva intensa deixa Lisboa em alerta vermelho
Chuva intensa deixa Lisboa em alerta vermelho
Chuva intensa deixa Lisboa em alerta vermelho
Chuva intensa deixa Lisboa em alerta vermelho
Chuva intensa deixa Lisboa em alerta vermelho
Chuva intensa deixa Lisboa em alerta vermelho
Chuva intensa deixa Lisboa em alerta vermelho
Chuva intensa deixa Lisboa em alerta vermelho
Chuva intensa deixa Lisboa em alerta vermelho
Chuva intensa deixa Lisboa em alerta vermelho
Chuva intensa deixa Lisboa em alerta vermelho
Chuva intensa deixa Lisboa em alerta vermelho
Chuva intensa deixa Lisboa em alerta vermelho
Chuva intensa deixa Lisboa em alerta vermelho
Os Sapadores Bombeiros de Lisboa registaram 292 ocorrências entre as 21h00 de quarta-feira e as 07h30 desta quinta-feira devido ao mau tempo que se abateu na capital, a maioria das quais inundações em habitações e na via pública.

As zonas da cidade que foram mais afetadas pela chuva foram as de Benfica, nomeadamente a freguesia de São Domingos de Benfica e Alcântara, zona da avenida 24 de julho.

Uma mulher, de 75 anos, morreu esta quinta-feira numa cave inundada pela chuva no Dafundo, onde vivia, no concelho de Oeiras.

O Presidente da República Marcelo Rebelo de Sousa já lamentou, esta quinta-feira, a morte da mulher, destacando a necessidade de serem realizadas "obras estruturais" para o escoamento de águas.

"Estava fora de Lisboa e fiquei surpreendido. O problema é mais vasto do que Lisboa, mas em Lisboa, ao final da tarde, início da noite, percebi que a situação estava mais grave", sublinhou o chefe de Estado, em declarações aos jornalistas na zona de Alcântara.

Já o presidente da Câmara de Lisboa, Carlos Moedas (PSD), disse que as intensas chuvas que provocaram as inundações na capital portuguesa fazem "parte das mudanças climáticas", e prometeu a construção de dois túneis de drenagem até 2025.

"As mudanças climáticas levam-nos a acreditar que estas mudanças são terríveis. Temos de lutar para mudar esta situação e foi por isso que hoje [quarta-feira] aprovámos na Assembleia Municipal todo o orçamento que vai permitir fazer os grandes túneis de drenagem", adiantou à imprensa.

Os bombeiros foram chamados ao local e procederam à drenagem da água que ficou acumulada no interior da casa. Conseguiram salvar o homem, mas não Maria Odete - uma morte a lamentar, depois do dilúvio que assolou Lisboa durante a madrugada desta quinta-feira.

Mais de uma centena de pessoas tiveram que sair temporariamente das suas casas na sequência das fortes chuvas, informou a Autoridade Nacional de Emergência e Proteção Civil.
Ver comentários
C-Studio