Barra Cofina

Correio da Manhã

Sociedade

Ministro do Ambiente defende "geração de riqueza a partir da sustentabilidade"

"Economia não pode crescer fundada nos fósseis, na matéria-prima e mão-de-obra barata", afirmou João Pedro Matos Fernandes.
Lusa 11 de Outubro de 2021 às 18:34
João Pedro Matos Fernandes, ministro do ambiente
João Pedro Matos Fernandes, ministro do ambiente
O ministro do Ambiente e da Ação Climática, João Pedro Matos Fernandes, disse hoje que a sustentabilidade ambiental criada para o país deve assentar numa "segunda geração de políticas" que promovam a "produção de riqueza".

Depois de uma "primeira geração" de políticas "de base infraestrutural" que avançaram o país em questões até de saúde pública, com, por exemplo, sistemas de esgotos e saneamento básico e uma boa gestão de resíduos, "há claramente uma segunda geração de políticas que é a de produção de riqueza a partir da sustentabilidade", destacou hoje o governante, durante uma lição de sapiência na Faculdade de Letras da Universidade do Porto, com o tema "Sustentabilidade: investir no presente", em que o responsável pela pasta do Ambiente defende que se deve apostar e agir.

"Criaremos uma situação de insustentabilidade para a vida de cada um de nós se a economia deixar de existir. A economia não pode crescer fundada nos fósseis, na matéria-prima e mão-de-obra barata. Não pode crescer assim, não pode crescer com emissões carbónicas, com base nas matérias-primas finitas, não pode crescer fazendo de conta que não se sabe. Porque sabe-se -- tem limites e não os podemos exceder", afirmou o ministro.

Destacando que "Portugal orgulha-se e orgulhar-se-á sempre de ser o primeiro país no mundo a afirmar que ia ser neutro [em carbono] em 2050", esclareceu que "ser neutros não quer dizer que a emissão é zero, quer dizer que a capacidade que emitimos é compensada com a capacidade de sumidouro que temos".

Com a meta estabelecida, foi traçado "um roteiro, com três cenários distintos, e o que mais garante a neutralidade é aquele em que a economia mais cresce", frisou.

Apesar de esse ser também "o cenário com mais consumo de eletricidade, deslocações e mobilidade, que são filhos de uma economia que cresce", se "essas deslocações forem neutras em emissões", o objetivo pode ser alcançado "com a economia a crescer mais, com mais emprego e com mais riqueza".

"Em termos de investimento, do que significa ser neutro em carbono em 2050, significa investir mais dois mil milhões de euros do que é suposto em matérias da sustentabilidade", adiantou.

O governante detalhou que os dois setores essenciais são o eletroprodutor, e "todo o setor elétrico quer dizer investimento privado", mas há também "um grande investimento que tem de ser feito, e aqui é essencialmente público", no setor da mobilidade.

"Isto é excecionalmente importante, porque nos libertamos da utilização de fósseis e das emissões que elas provocam", referiu, salientando também um "maior equilíbrio da balança comercial e da dependência" externa.

João Pedro Matos Fernandes defendeu também a aposta no hidrogénio verde e no biometano, para garantir a sustentabilidade de "processos industriais para os quais a intensidade energética da eletricidade não é o bastante".

É na mobilidade que o ministro vê "o desafio maior, por uma razão muito simples: mexe mesmo com cada um de nós".

A aula começou com um vaticínio pouco elogioso para a espécie humana, que Matos Fernandes considerou ser "cobarde e imatura", já que "saiu do meio da cadeia alimentar e passou para o topo" e mesmo assim tem "pavor de qualquer animal que seja maior".

"Mas estou sinceramente convencido de que cada vez mais o tema da biodiversidade será emergente na preocupação das pessoas dentro da sustentabilidade, e a pandemia mostrou-nos isso muito bem", considerou.

E fê-lo ao evidenciar que "não faz sentido estar a discutir saúde humana sem discutir saúde animal e saúde ambiental".

"Temos mesmo de saber combater a nossa cobardia e conviver cada vez mais e melhor, independentemente do tamanho, com as outras espécies", assevera.

Ao fim de seis anos como ministro, "se perguntarem onde a coisa foi menos feliz, acho que foi claramente na formação, na partilha, na integração, daqueles que eu acho que são os grandes agentes de mudança em prol da sustentabilidade", rematou.

Ver comentários