Barra Cofina

Correio da Manhã

Sociedade
3

Tornados, cheias e muitos estragos: Os efeitos do mau tempo de norte a sul do País

Chuva intensa e ventos fortes estão a afetar grande parte do continente.
Correio da Manhã 8 de Novembro de 2022 às 15:48
A carregar o vídeo ...
Chuva forte provoca cheias em Entrecampos
A chuva intensa que se fez sentir esta terça-feira causou estragos e cheias em várias zonas do País. Há relatos de mini-tornados, ruas e túneis alagados e até árvores caídas.

A Proteção Civil registou 182 ocorrências em Portugal continental, entre as 00h00 e as 15h00 de terça-feira, devido à chuva forte e ao vento, sendo os distritos de Lisboa e de Aveiro os mais afetados.

Entre as 13h00 e as 15h00, foram resgistadas 89 ocorrências na capital, afetando sobretudo as freguesias de Alvalade e de Alcântara, com diversas inundações, quedas de árvores e viaturas danificadas

Também o comandante dos Sapadores Bombeiros de Lisboa, Tiago Gomes, referiu, cerca das 14h30, que algumas vias da cidade estiveram cortadas ao trânsito, para o escoamento de águas, tendo sido registadas cerca de 25 inundações em espaços públicos e privados.

Lisboa
Em Lisboa, forte chuva que caiu entre as 13h30 e 14h00 levou ao corte de algumas vias e ao encerramento temporário do túnel junto à Praça José Queirós, para o escoamento de águas. 

Também na rua da Prata, na baixa de Lisboa, a circulação está cortada desde as 13h00 desta terça-feira depois de um camião que transportava cimento ter perdido a carga.

Devido à chuva intensa que se faz sentir na capital, o cimento transformou-se em lama e obrigou ao corte do trânsito.

Já na Rua das Pretas, perto da Avenida da Liberdade, em Lisboa, o mau tempo transformou a rua num rio impedindo a passagem de qualquer pessoa ou veículo.


Na Avenida do Campo Grande, em Lisboa, os condutores tiveram muita dificuldade em manter o controlo das viaturas, uma vez que a estrada ficou totalmente alagada. perante os lençóis de água, o risco de não conseguir travar e de embater noutros carros foi uma das preocupações.

Ainda na capital, mas em Sete Rios, a chuva que não deu tréguas durante toda a manhã transformou a estrada num verdadeiro rio ao longo de dezenas de metros, criando situações de perigo para os condutores devido ao risco na estrada e à fraca visibilidade. Junto à ligação de metro e comboio, a estrada também alagou, obrigando os condutores a reduzir a velocidade e aumentar a distância entre veículos para controlar as travagens devido aos lençóis de água.

Na Avenida da Igreja, algumas estruturas não aguentaram o peso da água e acabaram por surgir várias inflitrações, obrigando os comerciantes a encontrar estratégias para evitar que os estabelecimentos alagassem.

O Eixo Norte-Sul, em Lisboa, ficou alagado na sequência da chuva intensa que caiu durante toda a manhã e início da tarde. A circulação numa das principais vias da capital ficou bastante afetada, com longas filas de trânsito e marcha lenta para tentar evitar acidentes. Também na Segunda Circular as deslocações fizeram-se de forma muito demorada para evitar riscos na condução, o que criou longas filas no Eixo Norte-Sul.


Alcântara
O temporal que está a afetar a região de Lisboa esta terça-feira já obrigou bombeiros e Proteção Civil a responder a mais de 20 ocorrências em menos de uma hora.

Na zona de Alcântara foi registado um ‘mini-tornado’, que foi filmado por populares mas não terá causado feridos.  Na sequência do fenómeno, caíram àrvores e telhas de alguns edifícios.

Ainda na zona de Alcântara, a chuva foi tão intensa que submergiu os carros que se encontravam na rua. Segundo o comandante de operações, José Faria, 18 viaturas ficaram danificadas. No local estão três operacionais dos sapadores de bombeiros, apoiados por cinco viaturas e ainda 15 elementos da junta de freguesia de Alcântara que estão a apoiar na remoção dos destroços e pernadas de árvores. Uma equipa técnica de eletricistas da Câmara Municipal de Lisboa também se encontra no local para a verificar se existem problemas de curto circuito nos candeeiros danificados. Há ainda relatos de cafés e restaurantes que tinham água com mais de um metro de altura na porta.  Naquela zona, vários carros ficaram submersos. 





Marinha Grande

Na Marinha Grande, o mau tempo provocou, esta terça-feira, danos na empresa Eletrofer. Os prejuízos ainda não foram contabilizados.

O vento muito forte acompanhado de chuva intensa provocou quedas de árvores e danificou alguns carros dos funcionários da empresa, tendo voado uma parte da estrutura da entrada da fábrica. Não há registo de feridos. 








Ovar

O mau tempo já provocou estragos um pouco por todo o país com vários distritos sob alerta amarelo devido à chuva forte e persistente, que pode ser acompanhada de trovoada. 


Em Esmoriz, Ovar, as inundações invadiram a cidade. Um veículo chegou a ficar retido num túnel, tendo a circulação ficado cortada nos dois sentidos. Quer os Bombeiros Voluntários de Ovar, quer os bombeiros de Santa Maria da Feira estiveram no local.










Barcelos
A chuva forte que se fez sentir durante a madrugada desta terça-feira provocou diversas ocorrências no Norte do país.

O Minho foi uma das regiões mais afetatas, com várias inundações.

A situação mais complicada verificou-se no concelho de Barcelos, com a EN205 – que liga Barcelos à Póvoa de Varzim - a ser cortada ao trânsito, na freguesia de Vila Seca.

O mau tempo das últimas horas deixou vários constrangimentos em Esmoriz. Várias estradas ficaram inundadas, dificultando a circulação automóvel. Os Bombeiros de Esmoriz, Ovar e Santa Maria da Feira têm várias equipas na rua a responder às ocorrências como limpeza de via e sinalização de perigo.

A Proteção Civil alertou na segunda-feira a população para as previsões de chuva e vento durante o dia de hoje, com possibilidade de ocorrência de cheias, inundações e deslizamento de terras, principalmente nas regiões do Norte e Centro.

País Lisboa Alcântara Proteção Civil Marinha Grande Ovar meteorologia acidentes e desastres inundações
Ver comentários
C-Studio