Barra Cofina

Correio da Manhã

Sociedade
1

355 vagas de médicos ficaram por preencher

Sindicato diz que a ‘culpa’ é da falta de atratividade para trabalhar no Estado.
Edgar Nascimento 28 de Agosto de 2019 às 01:30
Marta Temido tutela a Saúde
Médicos
Médicos
Médicos
Médicos
Marta Temido tutela a Saúde
Médicos
Médicos
Médicos
Médicos
Marta Temido tutela a Saúde
Médicos
Médicos
Médicos
Médicos

Estavam abertas, no concurso de primeira época, 1264 vagas para médicos que terminaram a especialidade nas áreas de medicina geral e familiar, saúde pública e hospitalar. Mas apenas foram preenchidas 909, o que volta a deixar centros de saúde e hospitais sem os quadros completos. Ficaram por preencher 355 lugares.

De acordo com os dados da Administração Central do Sistema de Saúde, ontem revelados pela Lusa, foram ocupadas 77% das vagas identificadas como necessárias. Uma percentagem superior à dos concursos dos últimos anos (66% em 2018, 65% em 2017 e 62% em 2016), mas que ainda assim acaba por não satisfazer as necessidades.

No caso da ginecologia/obstetrícia, uma das especialidades mais carentes – são vários os casos de maternidades com falta de médicos, como é o caso da Grande Lisboa, Alentejo e Algarve– nem metade das vagas foram ocupadas: estavam abertas 31, apenas 14 foram escolhidas pelos candidatos.

Em reação aos resultados do concurso, o Sindicato Independente dos Médicos (SIM) justificou que a falta de candidatos em 355 vagas deve-se "à falta de atratividade" do Serviço Nacional de Saúde face ao setor privado. Um "fator relevante" para a baixa atratividade tem sido as baixas remunerações face aos privados, alertou o SIM. 

Baixas de médicos deixam serviço de neonatologia do Algarve condicionado
O Centro Hospitalar Universitário do Algarve está com dificuldades em assegurar as escalas noturnas do Serviço de Medicina Intensiva Pediátrica e Neonatal em setembro devido à falta de médicos, mas põe de parte o encerramento do serviço e está a tentar resolver o problema com o Ministério da Saúde e a ARS Algarve.

A maior parte dos profissionais está de baixa (por motivos de doença, licenças de maternidade e apoio à família) e, para o mês que vem, só três é que estão disponíveis.
Algarve SIM saúde serviços médicos (geral) questões sociais
Ver comentários
Newsletter Diária Resumo das principais notícias do dia, de Portugal e do Mundo. (Enviada diariamente, às 9h e às 18h)