Barra Cofina

Correio da Manhã

Sociedade
3

4828 profissionais de saúde já foram vacinados contra a Covid-19 em Portugal, avança Marta Temido

Ministra da saúde fez declarações esta segunda-feira.
Correio da Manhã 28 de Dezembro de 2020 às 12:08
Marta Temido confirmou existência de equipamentos avariados
Marta Temido confirmou existência de equipamentos avariados FOTO: Lusa
4828 profissionais de saúde já foram vacinados contra a Covid-19 em Portugal, avançou esta segunda-feira a ministra da saúde, Marta Temido.

"Números de ontem ao final do dia do sistema Vacinas indicavam que já 4.828 doses tinham sido administradas a profissionais nestes centros hospitalares: centro hospitalar universitário de São João, centro hospitalar universitário do Porto, centro hospitalar universitário de Coimbra, centro hospitalar universitário de Lisboa Central e centro hospitalar universitário Lisboa Norte", afirmou.

Segundo a governante, que já hoje passou também pelo Hospital Curry Cabral para acompanhar uma ação de vacinação, a segunda entrega de doses da vacina da Pfizer-BioNTech vai permitir estender o processo de vacinação para "outros hospitais do Serviço Nacional de Saúde (SNS) - com exceção de alguns hospitais especializados que não receberam doentes covid e que não têm nesta fase critérios de elegibilidade - e também para os agrupamentos de centros de saúde".

A ministra revelou ainda que 50700 doses de vacinas estão em trânsito para a Madeira e para os Açores.

"A vacinação dos profissionais de saúde que foram elegíveis para o primeiro momento e doses de vacina que hoje chegaram vão ser distribuídas para os restantes hospitais do SNS, excepto para alguns específicos que não receberam doentes Covid", explicou.

A vacinação de utentes de lares deverá começar na primeira semana de janeiro de 2021, mas Marta Temido lembra que podem existir alterações de datas, dependendo das circusntâncias.

"Neste momento está a ser concluído o processo de identificação das estruturas residenciais para idosos que são objeto desta administração, sendo certo que há uma circunstância que temos de ter presente, que são as unidades que têm surtos, que não serão alvo de vacinação enquanto o surto se mantiver ativo, por uma questão de segurança", disse Marta Temido, que falava no Hospital Curry Cabral.

Marta Temido disse ainda que o Governo estima que as mais de 70.000 doses da vacina da Pfizer que hoje chegaram a Portugal possam ser usadas na administração na comunidade, em lares - seja em profissionais que aí trabalham ou em residentes -, mas também nas unidades da rede nacional de cuidados continuados integrados.

"O que é importante é que tenhamos em mente o pressuposto de que a capacidade de os países administrarem vacinas depende da capacidade da indústria farmacêutica em entregar essas vacinas", afirmou, explicando que o processo é complexo e prevê entregas em dezembro e ao longo das quatro semanas de janeiro.

A governante considerou a vacinação dos profissionais de saúde a que assistiu "um sinal de esperança e de união de esforços para ultrapassar o que ainda está por vir", sublinhando os "desafios significativos" que o país ainda terá de enfrentar e o apelo à confiança na ciência.

A ministra frisou igualmente a necessidade de se continuar a cumprir as regras básicas de proteção até o país atingir um nível de imunidade que permita "o regresso às nossas vidas normais".

Mais informação sobre a pandemia no site dedicado ao coronavírus - Mapa da situação em Portugal e no Mundo. - Saiba como colocar e retirar máscara e luvas - Aprenda a fazer a sua máscara em casa - Cuidados a ter quando recebe uma encomenda em casa. - Dúvidas sobre coronavírus respondidas por um médico Em caso de ter sintomas, ligue 808 24 24 24
Covid-19 Portugal Marta Temido economia negócios e finanças
Ver comentários