Barra Cofina

Correio da Manhã

Sociedade
7

Aldeia Covid em Mondim de Basto. Como aconteceu o contágio e por que a GNR nada pode fazer

Festas em café, porco no espeto, jogos de cartas e muita outra diversão que acabou com metade da aldeia infetada.
Tânia Laranjo 16 de Janeiro de 2021 às 09:55
Arlindo Neves salienta que, entre 27 e 28 de dezembro, todos ficaram positivos na aldeia
Arlindo Neves salienta que, entre 27 e 28 de dezembro, todos ficaram positivos na aldeia FOTO: CMTV
Chegaram de França e juntaram-se no café. Comeram e beberam, assaram um porco, passaram os pratos de mão em mão. Jogaram às cartas – à boa maneira transmontana – pela noite dentro. Molharam os dedos com saliva para baralhar. Riram muito, divertiram-se. E depois adoeceram. Ainda antes do Ano Novo - só deveriam regressar a 3, 4 de janeiro - já viajavam para terras francesas.

Para trás deixavam os mais idosos contaminados, pelo caminho espalhavam o vírus. A maioria viajou de carro, para não ser apanhada pelas autoridades, os restantes mantêm-se na aldeia. É em Campanhó, Mondim de Basto, distrito de Vila Real, uma aldeia que tem pouco mais de 40 habitantes e que mais de metade dos quais estão positivos.

"Os que vieram de França para passar o Natal ficaram todos doentes. E depois foram embora. Tiveram medo de ter de fazer a quarentena", conta Arlindo Neves, morador em Campanhó, genro de um homem de 86 anos que ficou contaminado.

Saiba mais aqui

Trás-os-Montes Covid-19 Campanhó GNR França Ano Novo questões sociais
Ver comentários