Barra Cofina

Correio da Manhã

Sociedade
7

Alentejo e Algarve vão limitar uso de água devido à seca

Novas licenças para furos de captação de água no Sul do País já estão suspensas.
Raquel Oliveira 21 de Novembro de 2019 às 01:30
Barragens do Sul do País com um baixo nível de água armazenada podem vir a ser intervencionadas pelo Governo
Azeitona deve subir 20 por cento
Barragens do Sul do País com um baixo nível de água armazenada podem vir a ser intervencionadas pelo Governo
Azeitona deve subir 20 por cento
Barragens do Sul do País com um baixo nível de água armazenada podem vir a ser intervencionadas pelo Governo
Azeitona deve subir 20 por cento
A seca vai obrigar a uma "mudança de perfil de consumo de água em Portugal", reconheceu esta quarta-feira o ministro do Ambiente, João Matos Fernandes. A agricultura, o turismo e a gestão autárquica, sobretudo no Alentejo e no Algarve, vão ter de se adaptar, consumindo menos água.

No Sul do País a concessão de novas licenças para furos de captação de água já está suspensa. A maior utilização de águas residuais para a irrigação dos campos de golfe, de culturas permanentes, assim como na lavagem de ruas, são algumas das medidas previstas para restringir o consumo de água no Sul do País. As alterações vão ser discutidas nas reuniões agendadas para o próximo dia 30 de novembro, entre Governo, autarquias e agentes económicos do Alentejo e Algarve, regiões mais preocupantes.

"Não nos enganemos com as chuvas dos últimos dias, a seca é um problema estrutural", afirmou esta quarta-feira Matos Fernandes, no final da reunião da Comissão da Seca. Desde 2015, "só em 30% dos meses é que choveu mais do que o esperado", sublinhou o ministro.

Não se prevê, neste momento, nenhuma situação de rutura no abastecimento de água ao Algarve. No entanto, garantiu Matos Fernandes, caso seja necessário será injetada água no sistema, proveniente da barragem do Funcho.

"Se até 7 de janeiro não houver uma subida de nível das águas, nomeadamente, na albufeira de Odelouca, vamos injetar água" a partir do Funcho, com capacidade para garantir o fornecimento durante um ano, concretizou o ministro. Ainda assim, Matos Fernandes quer "limitar severamente a possibilidade de fazer furos para captação de água nas zonas mais críticas: oito no Algarve e duas na bacia do Guadiana, portanto, no Alentejo interior". Novos projetos empresariais terão, no futuro, de acautelar o "stress hídrico" do País, explicou.

Azeite, amêndoa e maçã com aumento nas produções
A produção de azeitona para azeite deverá subir 20% face a 2018, segundo as previsões do Instituto Nacional de Estatística. O INE prevê também um aumento da produção da maçã de 35% face à campanha anterior, na maior safra desde 1986. Já o tomate deverá ter uma das maiores produções de sempre, a amêndoa sobe 55% e a castanha 5%. A vinha e milho de regadio devem manter os registos de 2018.
Ver comentários
Newsletter Diária Resumo das principais notícias do dia, de Portugal e do Mundo. (Enviada diariamente, às 9h e às 18h)