Aluno de 11 anos aterroriza escola

Alunos e professores já foram vítimas do estudante.
Por Paulo Jorge Duarte|29.03.17
Um aluno de 11 anos é apontado como o responsável pelo clima de terror e medo que se vive no Centro Escolar de Silvalde, Espinho. O jovem agrediu, nos últimos dois anos, alunos, funcionários e professores. No dia 24 agrediu uma professora, fraturando-lhe um pulso. A docente está de baixa médica. Segundo os encarregados de educação, há alunas que se fecham na casa de banho durante os intervalos com medo do comportamento agressivo do aluno. Ontem de manhã, o portão da escola foi fechado a cadeado.
Aluno de 11 anos lança terror em escola de Espinho
 

"Este aluno está a ser acompanhado pela escola e pela Comissão de Proteção de Crianças e Jovens. O jovem irá ficar em casa até ao fim deste período letivo para que se possa encontrar uma solução", disse ao CM Ilídio Sá, diretor do agrupamento escolar.

O grupo de pais que ontem se concentrou junto à entrada da escola queixa-se de não ser recebido pelo diretor do agrupamento e acusa a associação de pais de não tomar medidas para evitar as agressões. "Há dois anos que se passam coisas graves com este aluno e, ultimamente, o comportamento tem ficado mais agressivo. É inadmissível e vou pedir a transferência do meu filho para outra escola", disse Mariana Rocha, mãe de um dos alunos agredidos.

pub

pub

Ver todos os comentários
Para comentar tem de ser utilizador registado, se já é faça
Caso ainda não o seja, clique no link e registe-se em 30 segundos. Participe, a sua opinião é importante!
Comentário mais votadoEscreva o seu comentário
  • De codorno29.03.17
    Era só o que faltava, um menino de onze anos "aterrorizar numa escola". Coitadinho desse menino num ambiente, escola pública, como aquele pelo qual fui responsável durante quase vinte anos. Na primeira tentativa de comportamento semelhante aos descritos, certamente era a última.
1 Comentário
  • De codorno29.03.17
    Era só o que faltava, um menino de onze anos "aterrorizar numa escola". Coitadinho desse menino num ambiente, escola pública, como aquele pelo qual fui responsável durante quase vinte anos. Na primeira tentativa de comportamento semelhante aos descritos, certamente era a última.
    Responder
     
     0
    !