Ano judicial arranca com greves e protestos

Funcionários judiciais manifestam-se terça-feira no Terreiro do Paço. Magistrados do Ministério Público param a 25 de fevereiro.
Por Bernardo Esteves|14.01.19

Oano judicial arranca esta segunda-feira debaixo de grande contestação no setor da Justiça. Quase todos os agentes exigem revisões nos estatutos e atualizações salariais, bem como uma melhoria de instalações e condições de trabalho. O Terreiro do Paço, em Lisboa, será amanhã palco de uma manifestação de funcionários judiciais; o Sindicato dos Magistrados do Ministério Público (SMMP) marcou greve para fevereiro; e os juízes têm também um plano de greves aprovado.

"Esperamos uma grande concentração nacional com 3 mil pessoas para reclamar um novo estatuto dos oficiais de Justiça", disse ao CM António Albuquerque, do Sindicato dos Funcionários Judiciais, que espera que "as negociações com o Governo prossigam e se possa chegar a um acordo".

O SMPP também está descontente com a revisão do estatuto dos magistrados do Ministério Público e marcou greve nacional para dia 25 de fevereiro, bem como greves parciais nos dias 26 e 27. A 26 de janeiro, o sindicato vai reunir-se para definir novas formas de luta.

Também os juízes reclamam um novo estatuto para cancelar os dias de greve já marcados até outubro. "Desejamos que se aprove o estatuto e o clima de crispação seja afastado. Temos um plano de greves aprovado mas o desejo é não o realizar. Estamos em conversações com o Ministério da Justiça, tem havido propostas e contrapropostas. Só aceitamos um acordo global para o estatuto", disse ao CM Manuel Ramos Soares, presidente da Associação Sindical de Juízes Portugueses.

PORMENORES
Sócrates
O ano judicial será marcado por processos importantes, em especial a instrução do processo Marquês, que envolve o ex-primeiro ministro José Sócrates, e deverá durar todo o ano.

Investigadores
A Associação Sindical dos Funcionários de Investigação da PJ tem dois dias de greve marcados para janeiro, em datas a definir. Exigem a revisão do estatuto e recuperação do tempo congelado.

Ver todos os comentários
Para comentar tem de ser utilizador registado, se já é faça
Caso ainda não o seja, clique no link e registe-se em 30 segundos. Participe, a sua opinião é importante!