Barra Cofina

Correio da Manhã

Sociedade
5

Apresentadas 527 reclamações sobre concurso de professores

O Ministério da Educação esclareceu que foram apresentadas até esta sexta-feira 527 reclamações de professores relativas ao concurso anual para satisfação de necessidades transitórias, de 31 de Agosto, e às bolsas de recrutamento 1, 2 e 3, respectivamente de 12, 19 e 26 de Setembro.
7 de Outubro de 2011 às 21:31
Gabinete do ministro da Educação e Ciência, Nuno Crato, reafirma que "todas as reclamações serão devidamente analisadas"
Gabinete do ministro da Educação e Ciência, Nuno Crato, reafirma que 'todas as reclamações serão devidamente analisadas' FOTO: Lusa

"Dois terços destas reclamações são relativos ao concurso de 31 de Agosto", adianta o ministério, que "relembra que os dados apresentados no Parlamento a 29 de Setembro tiveram como universo os candidatos nas bolsas de recrutamento 1 e 2, actualizados a 28 de Setembro".   

O gabinete do ministro da Educação e Ciência, Nuno Crato, reafirma que "todas as reclamações serão devidamente analisadas".  

Entretanto, a Federação Nacional dos Professores levou nesta sexta-feira, ao Parlamento, uma listagem de 512 professores que apresentaram recurso dos resultados dos concursos para preencher necessidades transitórias nas escolas e pediu aos deputados que apoiem uma auditoria ao processo.  

"Ouvimos dizer aqui no Parlamento que apenas um número residual de professores apresentou recurso. Como se pode ver não são umas poucas dezenas", disse o secretário-geral da FENPROF, Mário Nogueira, perante a Comissão Parlamentar de Educação, exibindo a lista com os nomes dos docentes.  

Na semana passada, o ministro da Educação, Nuno Crato, garantiu, durante o debate de urgência, que o ministério irá analisar todos os recursos, afirmando que as irregularidades são "excepções": da primeira bolsa só 0,04% dos candidatos apresentaram recurso e da segunda só 0,1%, disse.  

"Desejamos que as coisas funcionem, como qualquer matemático rigoroso gostaria", declarou hoje Mário Nogueira, reiterando que há "matéria para investigação sobre o que se passou" no concurso.  

"É difícil aceitar que alguém 700 lugares abaixo fique na preferência de um professor mais graduado", exemplificou.  

De acordo com Mário Nogueira, este ano, na segunda bolsa de recrutamento houve apenas 365 horários anuais e mais de 2.000 temporários.  

O caso de alegadas anomalias na colocação de professores foi entregue pela FENPROF na quinta-feira à Procuradoria-Geral da República e na segunda-feira será levado à Provedoria de Justiça, havendo já processos em curso nos tribunais interpostos por professores, com o apoio jurídico sindical.  

professores queixas reclamações concurso bolsa escolas nuno crato educação
Ver comentários
Newsletter Diária Resumo das principais notícias do dia, de Portugal e do Mundo. (Enviada diariamente, às 9h e às 18h)