Barra Cofina

Correio da Manhã

Sociedade
1

Arqueólogo diz que humanos podem estar na origem do deserto do Saara

Estudo relaciona desflorestação na região do Nilo com redução abrupta da precipitação.
Lusa 14 de Março de 2017 às 15:26
Milhares de africanos morrem no deserto por tentarem alcançar a Europa
Estudo diz que deflorestação do Nilo pode estar na origem do deserto do Saara
Milhares de africanos morrem no deserto por tentarem alcançar a Europa
Milhares de africanos morrem no deserto por tentarem alcançar a Europa
Estudo diz que deflorestação do Nilo pode estar na origem do deserto do Saara
Milhares de africanos morrem no deserto por tentarem alcançar a Europa
Milhares de africanos morrem no deserto por tentarem alcançar a Europa
Estudo diz que deflorestação do Nilo pode estar na origem do deserto do Saara
Milhares de africanos morrem no deserto por tentarem alcançar a Europa
A ação humana pode ter contribuído para transformar o Saara de paisagem verdejante para o deserto árido que é desde há 10.000 anos, propõe um estudo publicado esta terça-feira

A tese do arqueólogo David Wright, da Universidade Nacional de Seul, na Coreia do Sul, contraria a hipótese de terem sido alterações na órbita da Terra ou mudanças na vegetação como as causas principais da desertificação.

"No leste da Ásia há teorias firmadas sobre como as populações do Neolítico mudaram a paisagem de forma tão profunda que as monções deixaram de penetrar tanto para o interior", afirmou Wright, salientando que há provas de mudanças climáticas e ecológicas provocadas pela ação humana na Europa, América do Norte e Nova Zelândia.

Para comprovar a hipótese, Wright encontrou uma sintonia entre o aumento da pastorícia e o domínio da vegetação rasteira na paisagem, sinal de desertificação, há cerca de 8.000 anos, nas regiões que rodeiam o vale do Nilo, no Egito.

À medida que a paisagem perdeu vegetação, aumentou o efeito de albedo, a quantidade de luz solar refletida pela superfície da Terra, o que fez diminuir a precipitação, e por sua vez, reduziu ainda mais a vegetação.

David Wright quer continuar a investigar por baixo do deserto para resgatar vestígios de lagos, vegetação e atividade humana.

Lembrando que 15 por cento da população vive em áreas desérticas, o arqueólogo salienta que "as implicações de como os humanos mudam os ecossistemas têm implicação direta na sobrevivência em ambientes áridos".
Saara David Wright Universidade Nacional de Seul arqueólogo saara deserto chuva causa humana
Ver comentários
Newsletter Diária Resumo das principais notícias do dia, de Portugal e do Mundo. (Enviada diariamente, às 9h e às 18h)