Barra Cofina

Correio da Manhã

Sociedade
3

ASAE deteta azeites falsos

Alfandagh foi considerado fraude, por conter óleos vegetais refinados.
28 de Agosto de 2013 às 01:00
Azeiteanalisado não ameaça saúde do consumidor
Azeiteanalisado não ameaça saúde do consumidor FOTO: Nuno Veiga/Lusa

A Autoridade de Segurança Alimentar e Económica (ASAE) detetou oito casos de marcas de azeite falsificado, nas 46 amostras recolhidas durante as ações de fiscalização realizadas no final de 2012 e início de 2013. Das inspeções resultaram cinco processos-crime por géneros alimentícios falsificados.

No total, a ASAE já apreendeu mais de 33400 litros de azeite, no valor aproximado de 90 mil euros. Além das situações de azeite falsificado, a ASAE detetou vários casos de rotulagem incorreta: mais de 227
mil rótulos foram apreendidos. Por falta, inexatidão ou rotulagem deficiente foram abertos seis processos de contraordenação.

Segundo a ASAE, as situações de falsificação do azeite por adição de óleo alimentar ou azeite refinado obrigaram à adoção de medidas. "Investigação da origem do azeite, retirada do mercado, fiscalização ao embalador e ao lagar", pode ler-se na nota divulgada ontem, no mesmo dia em que a Deco revelou um estudo no qual detetou cinco marcas de azeite ilegais.

Quatro das marcas apresentavam informação incorreta na rotulagem – diziam ser azeite virgem extra, quando o produto era azeite virgem. A outra é uma falsificação – as análises detetaram que nem azeite era. A ASAE não refere quais são as marcas às quais pertencem as amostras de azeite falsificado. O estudo da Deco, porém, refere a Alfandagh como nem sendo azeite, por terem sido detetados óleos vegetais refinados. As marcas Auchan (DOP Moura), É, Grão Mestre e Naturefoods apresentavam o produto como sendo azeite virgem extra, mas deveria ser classificado com azeite virgem.

azeite ASAE óleos vegetais falsificação Alfandagh
Ver comentários
Newsletter Diária Resumo das principais notícias do dia, de Portugal e do Mundo. (Enviada diariamente, às 9h e às 18h)