Barra Cofina

Correio da Manhã

Sociedade
1

Azambuja: Inquérito a agressões a aluna de 16 anos

O Ministério Público da Comarca do Cartaxo instaurou um inquérito na sequência das agressões sofridas por uma aluna de 16 anos e levadas a cabo por duas colegas, no intervalo das aulas, na Escola Secundária de Azambuja.
17 de Fevereiro de 2012 às 20:40
A escola onde alegadamente ocorreram as agressões
A escola onde alegadamente ocorreram as agressões FOTO: Mariline Alves

A informação foi dada esta sexta-feira pela Procuradoria-Geral da República à Agência Lusa, indicando que o inquérito foi aberto "com base na queixa apresentada pelos pais da jovem no posto da GNR de Azambuja", no dia 30 de Janeiro, contra as colegas de 15 e 18 anos por "agressões físicas".

A aluna, que frequenta a Escola Secundária de Azambuja, foi agredida por duas colegas no intervalo das aulas, alegadamente devido a conversas no Facebook, o que levou os pais a apresentarem queixa na GNR e a pagarem cerca de 140 euros nas urgências hospitalares.

Para os pais tratou-se de um caso de 'bullying' perpetrado pelas colegas de 15 e 18 anos na tarde de 24 de Janeiro e criticaram o estabelecimento de ensino por ter mandado apagar as fotos e os vídeos da cena de violência, filmados por outros alunos com telemóvel.

"Não se trata de bullying, mas antes de uma discussão entre miúdas por causa de conversas de Facebook que acabou numa rixa. A escola abriu um processo de inquérito e um procedimento disciplinar, e nos próximos dias haverá uma decisão", explicou, na semana passada, à Agência Lusa, o director da escola da Azambuja, José Manuel Franco, acrescentando que apenas "chamou um aluno ao seu gabinete" para que este apagasse as imagens.

De acordo com o responsável, o castigo a aplicar, caso seja essa a decisão final, pode passar pela "repreensão, pelo trabalho comunitário" ou mesmo pela "suspensão" das alunas envolvidas nos actos de violência ocorridos no interior da escola na tarde de 24 de Janeiro.

Nesse mesmo dia, após ter chegado a casa, a jovem foi levada pelos pais ao Centro de Saúde de Azambuja e encaminhada para o Hospital de Reynaldo dos Santos, em Vila Franca de Xira, onde realizou exames complementares e diagnosticados três hematomas na cabeça.

O pai foi com a filha ao posto da GNR de Azambuja no dia 30 de Janeiro apresentar queixa contra as duas jovens por "agressões físicas" .

A Escola Secundária de Azambuja é frequentada por mais de 600 alunos do 7º ao 12 º anos. A Lusa contactou o Ministério da Educação a propósito deste caso, mas não obteve resposta.

escola azambuja bullyng alunas gnr queixa hospital ministério público
Ver comentários
Newsletter Diária Resumo das principais notícias do dia, de Portugal e do Mundo. (Enviada diariamente, às 9h e às 18h)