Barra Cofina

Correio da Manhã

Sociedade

Bombeiros ficam sem ambulâncias

Um verdadeiro caos instalou-se ontem nas Urgências do Centro Hospitalar de Trás-os-Montes e Alto Douro (CHMAD), em Chaves. A grande afluência de doentes provocou uma sobrelotação que obrigou até a reter macas de ambulâncias de bombeiros.
6 de Janeiro de 2010 às 00:30
Viveu-se momentos de caos, ontem, no Hospital de Chaves, com o grande afluxo de doentes
Viveu-se momentos de caos, ontem, no Hospital de Chaves, com o grande afluxo de doentes FOTO: Luís C. Ribeiro

"Não tinham camas para trasladar os pacientes, por isso ficaram retidas as macas de duas ambulâncias, entre as 12h30 e as 17h00. Sem macas, as ambulâncias são veículos comuns", disse Arnaldo Machado, comandante dos Bombeiros de Boticas, numa situação que se terá repetido com as corporações de Chaves e Montalegre.

Aliás, os Voluntários de Boticas tiveram de recusar o socorro a um homem que caiu de uma árvore, perto do quartel, por falta de veículos. Foi ao local o INEM de Chaves.

O presidente da Administração do CHMAD, Carlos Vaz, fala num "afluxo muito grande de pessoas" e defende que, em muitos casos, os doentes deveriam recorrer aos cuidados primários.

No Hospital Garcia de Orta, em Almada, pacientes esperaram até 24 horas para serem atendidos.

Ver comentários
Newsletter Diária Resumo das principais notícias do dia, de Portugal e do Mundo. (Enviada diariamente, às 9h e às 18h)