Barra Cofina

Correio da Manhã

Sociedade
3

Bragança perde bispo emérito

D. António José Rafael morreu aos 92 anos. É sepultado esta segunda-feira.
João Saramago 30 de Julho de 2018 às 09:24
D. António José Rafael
D. António Rafael, bispo emérito de Bragança-Miranda
D. António Rafael, bispo emérito de Bragança-Miranda
D. António José Rafael
D. António Rafael, bispo emérito de Bragança-Miranda
D. António Rafael, bispo emérito de Bragança-Miranda
D. António José Rafael
D. António Rafael, bispo emérito de Bragança-Miranda
D. António Rafael, bispo emérito de Bragança-Miranda
Polémico nas afirmações em que comparou a prática do aborto com o holocausto nazi, o bispo emérito da Diocese de Bragança-Miranda, D. António José Rafael, morreu este domingo aos 92 anos.

A Diocese de Bragança-Miranda nformou que a Missa Exequial terá lugar hoje, pelas 16h00, sendo depois sepultado no átrio dos Bispos na Catedral, em Bragança.

D. António José Rafael nasceu em 1925 em Lamego. Foi nomeado bispo auxiliar em 1977 e em 1979 assumiu a diocese onde desenvolveu esforços para a construção da Catedral de Bragança. A construção arrancou em 1981 e viria a terminar em 2001, no seu último ano enquanto bispo residencial.

Resignou por ter atingido o limite da idade e passou o testemunho a D. António Montes Moreira, entretanto substituído pelo mais jovem bispo de Portugal, D. José Cordeiro, o atual bispo diocesano.

No campo social, D. António José Rafael defendeu o bem-estar social, tendo reclamado que os salários mais elevados deveriam ser congelados até todos receberem, pelo menos, o salário mínimo. Para combater a desertificação populacional que assola o nordeste transmontano, dizia com insistência aos diocesanos: "façam filhos".

O Presidente da República, Marcelo Rebelo de Sousa, recordou a sua "dedicação ao bem comum e na defesa da igualdade entre os cidadãos". O chefe de Estado, "que o conhecia desde há muito", destacou ainda que o bispo emérito teve "uma vida longa ao serviço da Igreja".
Ver comentários