Barra Cofina

Correio da Manhã

Sociedade
4

Cada aluno custa 4.011 euros por ano

O Estado gasta em média 86.333 euros por ano com cada turma do ensino público, tendo em conta os 2.º e 3.º ciclos e o secundário, o que dá 4.011 euros por aluno, segundo um estudo divulgado esta terça-feira.
20 de Novembro de 2012 às 18:24
Cada turma custa ao Estado português, em média, 86.333 euros
Cada turma custa ao Estado português, em média, 86.333 euros FOTO: Ricardo Almeida

Estes valores brutos (não fazem a separação por ciclos, nem modalidades de ensino) foram apurados pela equipa liderada por Pedro Roseta, que analisou, a pedido do Ministério da Educação, o custo real dos alunos do ensino público. O custo total ultrapassa os dois mil milhões de euros (2.358.023.308Euro).

Para o presente ano lectivo (2012/2013), o custo médio por turma ajustado aos programas oscila entre os 70.245 euros e os 70.648 euros no ensino básico. No secundário, varia entre os 91.454 euros e os 88.477 euros.

Este trabalho foi pedido tendo em vista o financiamento dos contratos de associação com estabelecimentos privados, que actualmente ronda os 85.000 euros.

São analisados vários modelos. O custo médio por turma ajustado, deduzindo as despesas da mobilidade e cozinheiras, varia entre os 74.861 euros e os 75.536 euros no básico. Para o secundário atingem-se valores entre os 96 mil e os 98.729, que sobem até aos 109.459 se for na vertente vocacional.

Há ainda uma análise regional para o secundário que faz os valores baixar para 91.474 euros (mínimo) e 93.495 euros (máximo).

Segundo os autores do estudo, a componente principal do custo é o da docência, embora variando nas diferentes unidades orgânicas (agrupamentos ou escolas não agrupadas).

"Ronda à volta dos 85 por cento do custo total, que envolve também os custos de manutenção e administrativos", lê-se no relatório.


Os técnicos tiveram de readaptar as contas às mudanças ocorridas com os subsídios de férias e de natal. "Naturalmente, os custos finais são algo acrescidos pelo facto de não se retirarem aos vencimentos os dois subsídios, mas apenas um", explicam.

Os especialistas apoiaram-se em vários dados, incluindo o trabalho já desenvolvido pelo Tribunal de Contas, e constaram que o Plano Oficial de Contabilidade Pública para o sector da Educação "não estava implementado, nem existia uma contabilidade analítica nas unidades orgânicas".

No relatório, hoje apresentado, a equipa técnica explica que foi necessário retirar custos relativos a pessoal docente, que sendo pago pelas escolas, não tem actividade lectiva, designadamente docentes afectos a programas de mobilidade especiais.

Foi igualmente retirada a verba correspondente às cozinheiras, por não ser considerada um custo directo do ensino, entre outras.

Excluídas ficaram também despesas de investimento, como as da Parque Escolar e do Plano Tecnológico da Educação, "tendo em conta a sua natureza quando confrontada com a finalidade deste estudo: o custo do aluno, tendo em vista os contratos de associação", justificam os relatores.

Foram utilizados dados estatísticos de 2009/2010. De um conjunto de 1.140 unidades orgânicas, seleccionaram-se apenas as que não sofreram alterações significativas no ano de referência, ou seja, 961.

alunos escolas turmas estado contratos associação estudo
Ver comentários
Newsletter Diária Resumo das principais notícias do dia, de Portugal e do Mundo. (Enviada diariamente, às 9h e às 18h)