Barra Cofina

Correio da Manhã

Sociedade
9

Cadernos e lápis valem nove milhões de euros

Com o início das aulas marcado para o período de 8 a 15 de Setembro, cerca de 1,2 milhões de alunos do Ensino Básico e meio milhão do Secundário aprendem a pôr em prática as contas que lhes são ensinadas na escola para cumprirem os orçamentos estabelecidos pelas famílias para cadernos, lápis, mochilas e restante material escolar.
23 de Agosto de 2011 às 00:30
ensino, material escolar, lápis, cadernos, aulas, compras
ensino, material escolar, lápis, cadernos, aulas, compras FOTO: João Miguel Rodrigues

Em regra, os pais esperam gastar, entre mochila e conteúdo, de 50 euros a 100 euros. No total, só em material, são gastos cerca de nove milhões de euros. A factura ficará completa com os manuais escolares. Só no Natal é que as famílias gastam mais com as crianças. A confirmar a importância que o regresso às aulas representa para o comércio, fonte do grupo Auchan, que detém os hipermercados Jumbo, referiu ao Correio da Manhã que, "em termos de peso da facturação anual, a campanha tem um peso percentual muito relevante".

A gama de artigos é variada, colocando as grandes superfícies entre dois mil e quatro mil artigos distintos para abranger a maior variedade possível de gostos, com produtos que possam ser acessíveis a todas as bolsas.

Na hora de comprar, os rapazes gostam de uma coisa e as raparigas de outra. No meio, ficam os pais, que tentam desviar o olhar para os produtos mais baratos, em regra menos coloridos e elaborados. Ciente destas variações, quem vende reparte os artigos nas prateleiras por dois grupos principais: a faixa etária e o sexo dos potenciais clientes. Grandes expositores dão também destaque aos pacotes económicos e às promoções. Durante um mês, as grandes superfícies destinam também as áreas mais percorridas pelos clientes à venda de materiais que auxiliam na aprendizagem.

CRISE E CONCORRÊNCIA LEVAM À QUEDA DE PREÇOS

A crise, o desemprego, que atinge 12,1% da população activa, e a concorrência entre as grandes superfícies levam a que este ano o material escolar apresente uma ligeira descida dos preços.

Numa lista de 23 artigos, o CM fez as contas aos mais caros e aos mais baratos que se encontram no mercado. No cabaz mais dispendioso, são necessários 196,72 euros para comprar todo o material. Num cabaz mais económico, os 23 artigos ficam por 29,26 euros. Estes valores representam uma redução na ordem de 18% para os artigos mais caros, tendo em conta que no ano passado a lista dos 23 mais dispendiosos obrigavam a gastar 241,10 euros. No cabaz mais barato, há uma poupança de 10% em relação ao ano anterior, quando a mesma lista implicava um custo de 32,16 euros.

Os preços foram obtidos em três grandes superfícies. Este é um dos seis passos que os consumidores devem realizar para obterem um ganho, ou seja, deverão visitar vários locais para comparar preços.

A realização de um inventário para comprar apenas aquilo de que necessita é outro dos truques para poupar. Aproveitar as promoções, procurar restos de colecção ou artigos usados mais baratos são três outros princípios a seguir. O último passo é fazer uma ronda pelo material escolar do ano anterior para verificar que nem tudo está usado e inutilizado.

ensino material escolar lápis cadernos aulas compras
Ver comentários
Newsletter Diária Resumo das principais notícias do dia, de Portugal e do Mundo. (Enviada diariamente, às 9h e às 18h)