Barra Cofina

Correio da Manhã

Sociedade
4

Câmara do Porto monta unidade de produção de máscaras

Uma fábrica do Porto vai reconverter a sua unidade produtiva para o fabrico de máscaras de proteção pessoal.
Jornal de Negócios 17 de Março de 2020 às 14:59
Coronavírus xxx
Coronavírus xxx

Uma empresa da freguesia portuense de Campanhã disponibilizou-se para reconverter a sua unidade produtiva numa linha de produção de máscaras.

O objectivo é produzir máscaras de proteção pessoal, do tipo cirúrgico, suficientes para os funcionários da Câmara do Porto que contactem com público e que poderão também vir a ser distribuídas pela autarquia à rede social, corporações de bombeiros voluntários e às empresas de transporte, como STCP.

"A quantidade que conseguirá produzir não está ainda apurada, mas calcula-se que possa produzir o suficiente para alimentar as necessidades básicas dos operacionais do município e ainda ceder equipamentos a outras instituições, assegurando a Câmara do Porto os custos inerentes à operação", detalha a autarquia presidida por Rui Moreira, em comunicado.

Contactada a Câmara do Porto, fonte oficial afirmou ao Negócios que o dono da empresa não quer ser identificado, adiantando que a produção deverá arrancar esta semana.

A autarquia adianta que "em estudo está também a possibilidade da produção na mesma unidade de equipamentos de proteção individual para os hospitais, caso estes venham a escassear e a entrar em rotura".

Assim, garante, "evita pagar preços especulativos (que já se praticam no mercado em materiais importados) e espera poder ajudar a proteger também os muitos voluntários que em instituições de solidariedade ou bombeiros voluntários estão nesta altura a ficar expostos à doença".

Para o município, esta "é, também, uma forma de manter uma unidade fabril da área do Porto em funcionamento e a economia a funcionar, substituindo importação por produção nacional".

Esta medida avança menos de 24 horas depois do anúncio de que irá ser montado um centro de rastreio para covid-19 em modelo "drive thru" na zona do Queimódromo, no Porto, também numa parceria entre instituições públicas e empresas privadas, como a Unilabs. Este sistema de testes fora do meio hospitalar vai receber pacientes suspeitos de infeção e previamente referenciados pelo SNS, já a partir de 18 de março.

Matéria-prima conseguida em 24h
A ideia, conta a autarquia no mesmo comunicado, surgiu quando um empresário de Campanhã contatou o gabinete de Rui Moreira "para dar os parabéns ao município pelo seu trabalho no combate à covid-19 e disponibilizando-se para ajudar a cidade", com a conversa a acabar "por conduzir à ideia de produzir material de proteção".

"Em 24 horas, o empresário conseguiu a matéria-prima adequada, disponibilizando-se a parar a sua produção para clientes, que eram sobretudo da indústria hoteleira, reconvertendo a unidade produtiva, com cerca de 20 funcionários, numa linha de produção de máscaras", avança o município.

Por outro lado, conclui, "a proximidade da fábrica do empresário de Campanhã ao local onde os materiais serão consumidos encurta os tempos e custos de transporte e permitirá entregas diárias que possam satisfazer as necessidades do município a custos mais reduzidos do que encontraria no mercado inflacionado".

Ver comentários
Newsletter Diária Resumo das principais notícias do dia, de Portugal e do Mundo. (Enviada diariamente, às 9h e às 18h)