Barra Cofina

Correio da Manhã

Sociedade
2

Cancro do intestino grosso mata sete pessoas por dia em Portugal

Todos os portugueses devem realizar colonoscopias a partir dos 50 anos. Saiba quais os sintomas.
Bernardo Esteves 2 de Novembro de 2019 às 09:43
Cancro do intestino grosso
Vítor Neves, da Europacolon
Cancro
Cancro do intestino grosso
Vítor Neves, da Europacolon
Cancro
Cancro do intestino grosso
Vítor Neves, da Europacolon
Cancro
O cancro do intestino grosso, também conhecido por cancro do cólon ou cancro colorretal, mata sete pessoas por dia em Portugal, sendo a doença oncológica mais letal no nosso País.

Apesar da elevada mortalidade, quando a doença é detetada em fase precoce, a taxa de sobrevivência atinge os 90 por cento. Como não existem sintomas na fase inicial da doença, esta só pode ser diagnosticada através de uma colonoscopia, que todas as pessoas devem realizar a partir dos 50 anos.

O problema é que continua a haver muito desconhecimento e mitos sobre as colonoscopias, o que reduz o número de exames realizados. O alerta é da Associação Europacolon Portugal (AEP), na véspera do Dia Europeu de Luta contra o Cancro do Intestino.

Um inquérito europeu verificou que apenas 6% das pessoas consideraram que a colonoscopia foi pior do que esperavam. E entre os que já foram submetidos ao exame, a maior percentagem (47%) salienta que a pior fase é a preparação intestinal e não o exame em si.

"Mesmo sem qualquer sintoma, a partir dos 50 anos é necessário fazer o despiste, pois a progressão da doença é silenciosa e se for detetada a tempo poderá ter cura em 90% dos casos", disse Vítor Neves, presidente da AEP, frisando que "na maior parte dos casos a falta de vigilância leva a um diagnóstico tardio, precisamente por não haver sintomas na fase inicial da doença e por isso não são realizados os rastreios preventivos".

Acabar com mitos ligados à colonoscopia
O papel dos médicos é decisivo para acabar com os mitos ligados à colonoscopia, exame em que é introduzido um tubo no ânus.

"Para acabar com os mitos associados à colonoscopia é necessário alertar, informar e motivar a população, não só sobre o exame, mas também para as consultas de rotina, uma vez que os médicos têm um papel fundamental. É também fundamental haver igualdade de acesso, combater as assimetrias regionais e investir no desenvolvimento de profissionais de saúde e novas tecnologias", defende Vítor Neves, líder da ECP.

PORMENORES
Sete mil casos por ano
O cancro do intestino grosso desenvolve-se devido à produção descontrolada de células da camada de revestimento interior do cólon ou do reto. Todos os anos são diagnosticados sete mil casos, 90% dos quais a partir dos 50 anos.

O que é a colonoscopia
A colonoscopia consiste na introdução, através do ânus, de um tubo flexível (colonoscópio) com uma câmara na extremidade. O intestino grosso deve estar vazio para permitir a observação, daí ser necessária uma dieta específica 2 ou 3 dias antes do exame, bem como a toma de um preparado (laxante).

Sintomas da doença
Os principais sintomas da doença são a alteração do trânsito intestinal (defecar mais ou menos vezes do que o habitual), a alteração das características das fezes, o aparecimento de sangue nas fezes, dor abdominal, emagrecimento e anemia sem motivos claros.

Tabaco e álcool
Os fumadores têm risco acrescido de 40% de desenvolver este tipo de cancro. Beber álcool mais de quatro vezes por semana também aumenta o risco.
Portugal País Vítor Neves saúde cancro cancro questões sociais serviço nacional de saúde
Ver comentários
Newsletter Diária Resumo das principais notícias do dia, de Portugal e do Mundo. (Enviada diariamente, às 9h e às 18h)