Barra Cofina

Correio da Manhã

Sociedade
8

Casais desempregados pedem ajuda à Igreja

O número de famílias com casais desempregados a pedirem ajuda às instituições ligadas à Igreja Católica, sobretudo para comerem, está a aumentar, alertou esta terça-feira Luís Galante, responsável por dois centros paroquiais no Algarve.
30 de Outubro de 2012 às 16:16
São cada vez mais as pessoas que dormem nas ruas do Algarve
São cada vez mais as pessoas que dormem nas ruas do Algarve FOTO: Nuno de Jesus/Correio da Manhã

Além de recorrerem às cantinas sociais em que são disponibilizadas refeições gratuitamente, estas famílias têm também dificuldade em pagar as mensalidades das creches e lares de idosos, valências dos centros paroquiais.

"Temos muitas solicitações para beneficiarem das valências destes centros, que estão lotados", disse o diácono Luís Galante, que dirige instituições nas freguesias de Santa Bárbara de Nexe e Estoi, no concelho de Faro.

Aquele responsável falava aos jornalistas à margem do I Encontro dos Centros Sociais Paroquiais do Algarve, promovido pela Pastoral Social Diocesana, e no qual marcaram presença 11 instituições da região.

Segundo Luís Galante, há muitos pedidos de ajuda de famílias para internar idosos no lar, mas não há lugares, havendo apenas ainda alguma margem para distribuir mais refeições, já que num dos centros a capacidade não está lotada.

"São pessoas desempregadas, muitas vezes famílias inteiras, com filhos na escola e quase sempre os dois membros do casal estão desempregados", ilustrou aquele responsável.

O diácono assumiu a existência de famílias com dificuldades em pagar as mensalidades em atraso dos utentes dos lares ou infantários, situação que tem aumentado, mas assegurou que nunca ninguém deixou de ser atendido por falta de pagamento.


"Quando os pais estão desempregados, não sei se bem, se mal, mas eu chego a sugerir às pessoas que fiquem com os filhos em casa, é uma forma de se ocuparem, mas as pessoas também precisam do tempo para ir à procura de trabalho e nós continuamos a receber os filhos", afirmou.

Antevendo um ano de 2013 difícil, Luís Galante sublinhou não saber em que mais podem estes centros ajudar as famílias carenciadas, a não ser no aumento do número de refeições nas cantinas sociais.

"É preciso ter quem ofereça, às vezes são restaurantes, outras vezes são escolas", disse, acrescentando que este tem de ser um trabalho em rede.

A próxima reunião de responsáveis de centros paroquiais no Algarve deverá acontecer em Abril de 2013.

Ver comentários
Newsletter Diária Resumo das principais notícias do dia, de Portugal e do Mundo. (Enviada diariamente, às 9h e às 18h)