Barra Cofina

Correio da Manhã

Sociedade
1

Adolescente internada em Lisboa com sarampo corre perigo de vida

Casos confirmados da doença em Portugal sobem para 15.
17 de Abril de 2017 às 19:59
Vacina do sarampo
A falta de vacinação tem levado ao aparecimento de casos de sarampo, doença contagiosa que estava erradicada
Sarampo
Vacina do sarampo
A falta de vacinação tem levado ao aparecimento de casos de sarampo, doença contagiosa que estava erradicada
Sarampo
Vacina do sarampo
A falta de vacinação tem levado ao aparecimento de casos de sarampo, doença contagiosa que estava erradicada
Sarampo
O número de casos confirmados de sarampo em Portugal aumentou para 15, havendo mais 11 em investigação, segundo os últimos números da Direção-Geral de Saúde (DGS).

Os últimos números da DGS davam conta de 11 casos confirmados e 12 em fase de investigação desde janeiro.

Hoje, em declarações aos jornalistas, o diretor-geral da Saúde, Francisco George, salientou no entanto que não há que temer "uma epidemia em grande escala" nem preocupante, porque pessoas com mais de 40 anos tiveram a doença e por isso estão imunes e os mais jovens também estão imunizados pela vacina.

Dos 15 casos confirmados, precisou o responsável, sete são no Algarve e os restantes na região de Lisboa e o único preocupante é o de uma jovem adolescente internada no Hospital Dona Estefânia, em Lisboa, e que corre perigo de vida.

O diretor-geral falou apenas de um caso grave e explicou que em média por cada 100 casos de sarampo há um "que pode não correr bem". "A jovem está estável mas numa condição muito difícil em termos de prognóstico", disse.

Francisco George aconselhou a vacinação das crianças a partir dos nove meses e defendeu que em Portugal se devia fazer um debate sobre a vacinação, para perceber se há pais que não vacinam os filhos e porque não o fazem.

José Gonçalo Marques, pediatra, da comissão técnica de vacinação da DGS, disse que as crianças são o grupo mais afetado no atual surto e salientou que não se trata de uma epidemia no sentido de que a população esteja em risco.

"O (combate ao) sarampo requer uma vacinação superior a 95%. Começamos a ter pais que recusam a vacinação dos filhos. Não atingindo os 95% pode afetar algumas pessoas, incluindo as que não podem ser vacinadas, como grávidas ou imunodeprimidos", explicou.

O especialista também defendeu que é preciso debater a questão da vacinação em Portugal, nomeadamente o direito que os pais têm de não vacinar os filhos mas também o direito que as crianças têm de ser vacinadas.

Leia o comunicado na íntegra:

Em relação à atividade epidémica de sarampo, a Direção-Geral da Saúde esclarece:

1. Em Portugal, desde janeiro de 2017 e até à data, foram registados 21 casos confirmados de sarampo pelo Instituto Ricardo Jorge;

2. A descrição detalhada, no plano epidemiológico, ainda está em curso;

3. A ocorrência de surtos de sarampo em alguns países europeus, devido à existência de comunidades não vacinadas, colocou Portugal em elevado risco;

4. Não há razões para temer uma epidemia de grande magnitude, uma vez que a larga maioria das pessoas está protegida porque foi vacinada ou teve anteriormente a doença;

5. A vacinação é a principal medida de prevenção, é gratuita e está disponível para todas as pessoas presentes em Portugal;

6. O Programa Nacional de Vacinação recomenda a vacinação com duas doses, aos 12 meses e aos 5 anos de idade;

7. Em pessoas vacinadas a doença pode, eventualmente, surgir mas com um quadro clínico mais ligeiro e menos contagioso;

8. Os serviços da DGS, do Instituto Ricardo Jorge, do INFARMED, dos Centros de Saúde e dos Hospitais de todas as regiões do País continuam a acompanhar a evolução das iniciativas que visam controlar o problema ora identificado.  

Ver comentários
Newsletter Diária Resumo das principais notícias do dia, de Portugal e do Mundo. (Enviada diariamente, às 9h e às 18h)