Barra Cofina

Correio da Manhã

Sociedade
8

Doença celíaca obriga a eliminar glúten da alimentação. Conheça os sintomas

Diarreia crónica, cansaço e eventuais atrasos no crescimento são sintomas.
Daniela Polónia 25 de Março de 2018 às 09:48
O pão está entre os alimentos proibidos na doença celíaca
A cerveja é feita habitualmente a partir de  malte derivado da cevada e, por isso, está entre os produtos que contêm glúten
Frutas e legumes são alimentos permitidos para os doente celíacos e fazem parte da roda dos alimentos
Os gelados fazem parte da categoria dos alimentos perigosos porque podem conter glúten na sua composição
O pão está entre os alimentos proibidos na doença celíaca
A cerveja é feita habitualmente a partir de  malte derivado da cevada e, por isso, está entre os produtos que contêm glúten
Frutas e legumes são alimentos permitidos para os doente celíacos e fazem parte da roda dos alimentos
Os gelados fazem parte da categoria dos alimentos perigosos porque podem conter glúten na sua composição
O pão está entre os alimentos proibidos na doença celíaca
A cerveja é feita habitualmente a partir de  malte derivado da cevada e, por isso, está entre os produtos que contêm glúten
Frutas e legumes são alimentos permitidos para os doente celíacos e fazem parte da roda dos alimentos
Os gelados fazem parte da categoria dos alimentos perigosos porque podem conter glúten na sua composição
Só uma alimentação isenta de glúten - proteína presente no trigo, cevada, centeio e aveia - pode controlar a doença celíaca. A dieta tem de ser mantida durante toda a vida, uma vez que o problema é crónico e, como tal, não desaparece. Esta é uma patologia autoimune do intestino, causada pela sensibilidade permanente ao glúten, em pessoas geneticamente suscetíveis.

"É, classicamente, uma doença que surge nas crianças, com queixas habituais de diarreia crónica, cólicas, distensão abdominal, má nutrição ou atraso de crescimento. Mas cada vez mais se reconhecem casos no adulto, que passam despercebidos nas primeiras décadas de vida", explica Paulo Oliveira Ratilal, gastrenterologista.

Além das formas típicas, com as queixas já descritas, a doença pode ainda ser silenciosa ou atípica. No primeiro caso, os sintomas passam por cansaço isolado, persistente e correspondente anemia, osteoporose precoce e alterações intestinais de flatulência, de cólica abdominal e de obstipação.

"Os doentes podem também não manifestar estes sinais mas apresentarem alterações nas análises ao sangue, como deficiência de ferro, de vitamina B12 ou de ácido fólico", afirma o médico do Hospital Cuf Descobertas, em Lisboa.

Nas formas atípicas, há sintomas que, à partida, não seriam relacionados com uma doença gastrenterológica, como problemas de pele, de tiroide ou do sistema nervoso.

Carne, peixe  e fruta entre os alimentos permitidos
O glúten está presente em alimentos como o pão, produtos de pastelaria, bolachas, iogurtes com cereais, assim como nas massas, na cerveja e na farinheira. São considerados os alimentos proibidos. "Para todas estas categorias existem alternativas de produtos específicos sem glúten, formulados especialmente com matérias-primas isentas de glúten, para os consumidores celíacos", explica a nutricionista Daniela Afonso.

Olhando para a roda dos alimentos, há várias opções para os doentes celíacos - fruta, legumes, carne e peixe. "No grupo dos cereais, derivados, e tubérculos, encontramos os cereais proibidos, mas também alternativas, como é o caso do arroz, milho, quinoa", afirma a especialista.

Segundo a Associação Portuguesa de Celíacos, os alimentos perigosos são aqueles que podem conter glúten na sua composição, como gelados, ketchup e batatas fritas de pacote, por isso, é necessário verificar os ingredientes presentes na rotulagem. É aconselhado que verifique sempre se as embalagens estão intactas.

"Há mais oferta nos restaurantes"
"Um dia senti-me extremamente cansada a subir as escadas de um parque de estacionamento, cheguei à superfície e parecia que tinha escalado uma montanha", diz Mafalda Carvalho, de 50 anos, que vive em Lisboa. O cansaço era consequência de uma grave anemia que, entre outros sintomas, levou ao diagnóstico de doença celíaca.

A consultora de empresas veio a tornar-se presidente da Associação Portuguesa de Celíacos e há mais de seis anos que faz uma alimentação sem glúten. "Não me condiciona em nada. Nos restaurantes há cada vez mais oferta. É claro que tenho cuidados, se for a uma pizaria com alguém, peço uma salada e aviso para terem muito cuidado a lavar a loiça para não haver qualquer contaminação", explica Mafalda.

Mafalda recorda ainda que uma vez, por descuido, provou molho de soja e passou a noite com diarreia e a vomitar.

Conselho da semana
Em caso de viagem, há a possibilidade de pedir uma refeição sem glúten, na maioria das agências ou companhias aéreas. Ainda assim, é necessário que faça este pedido com antecedência. O mesmo acontece no caso dos hotéis - durante a reserva, avise a unidade hoteleira de que é doente celíaco e que, por isso, terá de ter refeições adequadas. No site da Associação Portuguesa de Celíacos poderá consultar os hotéis, lojas e restaurantes onde existem produtos sem glúten no estrangeiro. Pode sempre prevenir-se e levar alguns alimentos consigo.

Saiba mais sobre esta doença no guia prático Médico em Casa, todos os dias nas bancas com o Correio da Manhã. 

Sintomas
  • Diarreia crónica com um odor desagradável, alternando com períodos normais
  • Perda de peso
  • Dor abdominal e desconforto
  • Abdómen inchado com gases
  • Raquitismo
  • Anemia
  • Irritabilidade e letargia
  • Dor articular
  • Obstipação
  • Azia
  • Erupção cutânea pruriginosa (designada por «dermatite herpetiforme»)
  • Úlceras na boca
  • Mal-estar geral
  • Sintomas neurológicos, como sensação de formigueiro nas mãos e pés

Como se trata
A dieta alimentar dos doentes celíacos tem de ser totalmente livre de glúten.
Diarreia crónica cansaço Celíacos glúten alimentação
Ver comentários
Newsletter Diária Resumo das principais notícias do dia, de Portugal e do Mundo. (Enviada diariamente, às 9h e às 18h)