Barra Cofina

Correio da Manhã

Sociedade
1

Cerca de 37% dos infetados contraiu o coronavírus em lares e 33% em casa

Marta Temido destacou a diminuição da percentagem de 9% para 7% de contágio em contexto social.
Lusa 2 de Maio de 2020 às 20:46
Marta Temido
Marta Temido FOTO: Miguel A. Lopes
Cerca de 37% de uma amostra de casos de covid-19 confirmados contraíram o vírus nos lares e 33% em casa, revelou este sábado a ministra da Saúde, reportando-se a números relativos aos dias entre 25 e 30 de abril.

Marta Temido, que falava aos jornalistas na conferência de imprensa diária sobre a evolução da pandemia da covid-19 em Portugal apontou que, à semelhança de dados apresentados há cerca de uma semana sobre o período de 18 a 24 de abril, estão a ser feitos estudos pormenorizados a intervalos de tempo para analisar em que contextos é contraída com mais frequência a doença.

Assim, entre 25 e 30 de abril, e tendo por base uma amostra de 2.369 casos confirmados, 37% contraiu o vírus em lares, 33 na residência (coabitação), 15% em contexto laboral, 7% em contexto social e 6% em instituições ligadas à prestação de cuidados de saúde.

Face ao período antes analisado - 18 a 24 de abril - Marta Temido destacou a diminuição da percentagem de 9% para 7% de contágio em contexto social.

"Indicia um maior cumprimento das regras gerais", disse a governante, segundo a qual estes estudos servem para que "as medidas adotadas em cada momento sejam aquelas que correspondam à adequada contenção da infeção".

Assim, de 25 a 30 de abril e dos 2.369 analisados, 1.454 eram mulheres e 438 pessoas com mais de 80 anos.

Marta Temido também indicou que "mais de um terço dos novos casos pertencem ao distrito do Porto, seguindo-se Lisboa e Braga" e que "a apresentação clínica mais frequente era assintomática (73%)", enquanto as infeções eram também assintomáticas (22%).

"Mostra o que temos encontrado com a estratégia de testes mais alargada que temos vindo a desenvolver em locais específicos", referiu a governante num dia em que se completam dois meses desde que o primeiro caso associado ao novo coronavírus foi detetado em Portugal.

Marta Temido indicou, ainda, que "metade dos novos casos com comorbilidades tinha hipertensão arterial e diabetes" e que "a doença cardiocervo-vascular foi reportada em aproximadamente um quarto dos novos casos".

"A doença e a deficiência neurológica destacaram-se com 34% e 27% dos casos, respetivamente e a presença de neoplasias foi reportada em mais de um quarto dos novos casos com comorbilidades, sendo que a doença pulmonar crónica estava presente em 22% destes casos", acrescentou a ministra da Saúde.

Nesse período de oito dias, "cerca de 44% dos casos que apresentam pelo menos uma comorbilidade tiveram necessidade de internamento, observaram-se 20 novos casos em grávidas e um décimo dos doentes internados necessitou de suporte ventilatório".

Ao lado da diretora-geral da Saúde, Graça Freitas, a ministra da Saúde também recordou este sábado que o doente mais novo a contrair o vírus "tinha apenas alguns meses" e o mais velho 111 anos.

Em Portugal, morreram 1.007 pessoas das 25.190 confirmadas como infetadas, e há 1.671 casos recuperados, de acordo com a Direção-Geral da Saúde.

A nível global, segundo um balanço da agência de notícias AFP, a pandemia de covid-19 já provocou quase 239 mil mortos e infetou mais de 3,3 milhões de pessoas em 195 países e territórios.

Mais de um milhão de doentes foram considerados curados.

Mais informação sobre coronavírus AQUI.

MAPA da situação em Portugal e no Mundo.

SAIBA como colocar e retirar máscara e luvas.

APRENDA a fazer a sua máscara em casa.

CUIDADOS a ter quando recebe uma encomenda em casa.

DÚVIDAS sobre coronavírus respondidas por um médico

Em caso de ter sintomas, ligue 808 24 24 24

Ver comentários
Newsletter Diária Resumo das principais notícias do dia, de Portugal e do Mundo. (Enviada diariamente, às 9h e às 18h)