Barra Cofina

Correio da Manhã

Sociedade

Cimeira do Clima fecha acordo histórico

Objetivo principal é para que a Terra não aqueça mais de 1,5ºC.
João Saramago 13 de Dezembro de 2015 às 03:30
A Conferência do Clima, em Paris, terminou com aclamação
A Conferência do Clima, em Paris, terminou com aclamação FOTO: Christophe Petit Tesson/EPA

"Histórico e grande gesto para a humanidade", foi como o presidente francês François Hollande classificou o acordo alcançado este sábado na Cimeira do Clima de Paris.

O texto elaborado prevê uma lista de medidas vinculativas a aplicar a partir de 2020 pelos 195 países e que têm por objetivo limitar a emissão de gases com efeito de estufa.

Entendem os peritos reunidos que esta é a solução para limitar a subida da temperatura a um máximo de 1,5 graus centígrados até 2100, tendo por comparação a temperatura do Planeta antes da Revolução Industrial. Caso contrário, será irreversível o processo de degelo na Gronelândia, com a consequente subida do nível do mar.


O acordo alcançado não colhe, contudo, o apoio de várias organizações ambientais. Em Lisboa, 300 pessoas participaram na Marcha pela Justiça Climática, uma iniciativa repetida em várias cidades de todo o Mundo, incluindo Porto e Faro.

Os manifestantes consideram insuficientes as medidas previstas. Desceram a avenida da Liberdade repetindo palavras de ordem como "Negociar o quê? Não há planeta B!", "Que paguem os de cima: justiça no clima!" e "Deixem o petróleo debaixo do solo". Em Paris foram organizadas manifestações em protesto contra o facto de o acordo só entrar em vigor em 2020.


Ver comentários