Barra Cofina

Correio da Manhã

Sociedade
3

Consumo de álcool de forma intensiva em crescimento entre as raparigas

Comportamentos continuam a ser mais prevalentes nos rapazes.
Lusa 26 de Junho de 2020 às 15:07
Consumo de álcool
Consumo de álcool
O consumo de álcool de forma intensiva ou até atingir um estado de embriaguez severa está a aumentar mais entre as raparigas, mas estes comportamentos continuam a ser mais prevalentes nos rapazes, segundo um estudo hoje divulgado.

"Embora as variações anuais sejam ligeiras delineia-se uma tendência de incremento do consumo 'binge' e da embriaguez severa entre 2015 e 2019 nos jovens de 18 anos", lê-se no relatório do inquérito aos jovens participantes no Dia da Defesa Nacional de 2019, dirigido aos jovens de 18 anos, com o objetivo de aferir comportamentos aditivos nos 12 meses anteriores ao inquérito do Serviço de Intervenção nos Comportamentos Aditivos e nas Dependências (SICAD).

O estudo, que já vai na sua 5.ª edição, sempre realizado na mesma ocasião, permite uma comparabilidade de dados, refere o relatório, que sublinha que os resultados de 2019 vêm "de uma forma geral, consolidar as conclusões dos inquéritos das edições anteriores".

O crescimento dos consumos de forma intensiva de álcool (consumo 'binge', ou seja, de cinco ou mais bebidas numa única ocasião para raparigas, ou de seis ou mais para rapazes) verifica-se desde 2015, ano do primeiro inquérito, assim como o consumo conducente a embriaguez severa.

Ainda que sejam comportamentos mais habituais entre os rapazes, é entre as raparigas que mais tem crescido: entre 2015 e 2019 o consumo 'binge' cresceu 12 pontos percentuais, dos 36,2% para os 48% entre as raparigas, tendo os consumos até uma situação de embriaguez severa aumentado 10 pontos percentuais, dos 21,6% para os 31,4% na série de cinco anos em análise.

Entre os rapazes, o crescimento destes comportamentos foi de cerca de 5% a 6%, respetivamente, com percentagens de 56,4% para consumo 'binge' em 2019 e de 37,8% para embriaguez severa.

"Estes consumos mais intensivos tendem a ser pontuais no ano, predominando frequências de consumo inferiores a seis ocasiões", lê-se no relatório, que refere também, ainda assim, que "entre os consumidores recentes de bebidas alcoólicas, cerca de 21% mencionam o consumo 'binge' em 10 ou mais ocasiões no ano e 8% referem ter-se embriagado severamente com esta frequência".

De forma geral, ainda que os consumos de álcool sejam maioritariamente ocasionais entre os jovens de 18 anos, "cerca de metade bebeu pelo menos uma vez de forma 'binge' e cerca de um terço embriagou-se severamente", segundo os resultados de 2019.

O inquérito do SICAD revela ainda que "21% dos participantes (24% dos consumidores de bebidas alcoólicas) experienciaram, nos 12 meses anteriores ao inquérito, problemas relacionados com o consumo destas bebidas, tendo sido as situações de mal-estar emocional e as relações sexuais desprotegidas as mais mencionadas".

Em termos gerais, aos 18 anos apenas 10% dos inquiridos declarou não ter tido ainda qualquer contacto com bebidas alcoólicas.

A segunda substância mais consumida pelos jovens é o tabaco, com metade dos inquiridos a declarar ser fumador.

A nível nacional a tendência de consumo de tabaco é de uma redução: "Entre 2015 e 2019 a prevalência de consumo recente sofreu uma variação de 4 pontos percentuais (prevalência de 52% em 2015 e de 48% em 2019)".

Já a análise regional mostra que o Alentejo e o Centro são as regiões "que mais contrariam a tendência de descida do consumo de tabaco que se verifica a nível nacional". São também aquelas "onde se verificam os maiores aumentos no consumo de álcool e drogas ilícitas".

"Um terço dos jovens já contactou com substâncias ilícitas, um quarto consumiu nos últimos 12 meses, sobretudo de forma ocasional (seis em cada 10 consumidores de cannabis consumiram em menos de 10 ocasiões por ano, por exemplo). Trata-se essencialmente de consumo de cannabis: nos últimos 12 meses, 28% dos jovens consumiram uma qualquer substância ilícita, 27% consumiram cannabis, 8% consumiram outras substâncias ilícitas (podendo ter consumido também cannabis) e 1% consumiu exclusivamente outras substâncias ilícitas", adianta ainda o documento.

O SICAD alerta ainda para "um incremento paulatino do consumo recente de cannabis, ainda que com estabilização entre 2018 e 2019". O crescimento do consumo desta substância é mais visível entre os jovens estudantes, nomeadamente os que frequentam o ensino superior.

Sobre o consumo de tranquilizantes e sedativos sem receita médica, o relatório indica que sete em cada 100 jovens já o fez pelo menos uma vida na vida e cinco em cada 100 nos últimos 12 meses, com uma prevalência superior junto das raparigas, mas a frequência do consumo é maioritariamente ocasional.

Quanto à utilização da Internet, o inquérito revela que um terço dos jovens começou a usá-la antes dos 10 anos e as redes sociais são "uma experiência quotidiana" dos jovens, com 25% a declararem frequentar estas redes entre quatro a cinco horas diárias e outro 25% a admitirem uma utilização diária superior a seis horas. As redes são mais frequentadas pelas raparigas.

"Em 2015 e 2019 a prevalência de utilização de redes sociais, nomeadamente em seis horas ou mais por dia é semelhante. Esta estabilidade é verificada em diferentes segmentos populacionais (em função do género, nível de escolaridade e situação face ao trabalho) no que diz respeito à utilização de redes sociais em geral, mas, no que toca à utilização mais intensiva, é de destacar o incremento na sua utilização entre as raparigas, jovens com menor escolaridade (até 9º ano) e que já não estudam", adianta o SICAD.

Metade dos jovens declara jogar 'online' e desses 15% admitem fazê-lo apostando dinheiro. "A prevalência de jogo 'online' parece estar, paulatinamente, a aumentar, aparentemente mais quanto ao jogo sem ser de apostas. Com uma ou outra exceção, este incremento é mais acentuado entre os rapazes e menos acentuado nos estudantes universitários", adianta o relatório.

A nível regional, o SICAD identifica "discrepâncias regionais relevantes" e a confirmação de tendências reveladas anteriormente, destacando "um consumo mais elevado de bebidas alcoólicas e de tabaco no Alentejo, de substâncias ilícitas no Algarve e de medicamentos na Região Autónoma dos Açores".

"No que diz respeito aos jogos de apostas, são os jovens da Regiões Autónomas quem mais costuma utilizar a Internet para tal fim", acrescenta.

SICAD Alentejo Internet questões sociais delinquência juvenil grupos populacionais jovens
Ver comentários
Newsletter Diária Resumo das principais notícias do dia, de Portugal e do Mundo. (Enviada diariamente, às 9h e às 18h)