Barra Cofina

Correio da Manhã

Sociedade
1

Desaparecem 6 crianças por dia

Todos os dias desaparecem, em média, seis crianças e adolescentes em Portugal. Desde Janeiro, as autoridades policiais investigaram 892 processos de menores desaparecidos. A maioria dos rapazes e das raparigas (869 casos) foram encontrados, mas ainda falta saber o paradeiro dos restantes 23. No ano passado, os números foram alarmantes: foram registados 2842 desaparecimentos de menores, dos quais falta ainda saber onde estão 27.
26 de Maio de 2012 às 01:00
Rui Pedro desapareceu em 1998
Rui Pedro desapareceu em 1998 FOTO: dr

Os dados foram revelados ontem, Dia Internacional das Crianças Desaparecidas, na conferência ‘Crianças desaparecidas e exploradas sexualmente’, organizada pelo Instituto de Apoio à Criança, na Assembleia da República. A ministra da Justiça, Paula Teixeira da Cruz, manifestou-se "favorável à colocação de dispositivos electrónicos de localização", como os chips, em pedófilos, e defendeu a adopção de uma lei para referenciação de abusadores de menores.

A governante anunciou a regulamentação, para breve, de uma directiva comunitária que agrava as penas para os autores de crimes contra as crianças e penaliza outras situações. Um dos fenómenos que está a contribuir para o desaparecimento e a ocorrência de abusos sexuais de menores é o "aliciamento através da internet", alertou Aurora Dantier, subcomissária da PSP de Lisboa.

A reincidência dos pedófilos levou Dulce Rocha, vice-presidente do IAC, a defender a "avaliação periódica da perigosidade" dos agressores sexuais. A responsável lembrou a linha telefónica (116000) para a qual podem ser reportados os casos de desaparecimento de menores.

Quem não esquece os processos de desaparecimento são, além das famílias, os polícias. Alexandre Chagas, inspector da PJ, contou ao Correio da Manhã que não sente a "satisfação dos casos concluídos com êxito", porque não esquece um caso ainda em aberto: "Falta encontrar o [Jorge] Sepúlveda. Nunca o esqueci." 

MÃE DE RUI PEDRO TEM ESPERANÇA

Foi com a esperança de que o filho Rui Pedro lesse as mensagens, escritas por alunos das escolas de Matosinhos e presas em balões brancos, que Filomena Teixeira participou ontem numa iniciativa simbólica, que reuniu cinco mil crianças.

"Quando larguei os balões estava a pensar no meu filho. Tenho esperança de que ele possa ver a mensagem. É isso que me move", disse ao CM. "A cada ano que passa é mais doloroso, mas, por outro lado, sinto-me mais acompanhada. Há 14 anos era uma luta sozinha", contou.

Ver comentários
Newsletter Diária Resumo das principais notícias do dia, de Portugal e do Mundo. (Enviada diariamente, às 9h e às 18h)