Barra Cofina

Correio da Manhã

Sociedade
8

Deslizamento de terras danifica pavilhão do Hockey Club de Sintra

Presidente diz que o clube não tem verbas para efetuar obras de reparação.
28 de Novembro de 2014 às 18:54
Instalações do Hockey Club de Sintra
Instalações do Hockey Club de Sintra FOTO: João Cortesão

O pavilhão do Hockey Club de Sintra (HCS), em Monte Santos, ficou danificado devido a um deslizamento de terras, mas o presidente do clube admitiu esta sexta-feira que a coletividade não tem dinheiro para reparar os estragos.

"A derrocada afetou a estrutura do pavilhão, mas não de forma a impedir o funcionamento normal da atividade desportiva", explicou à agência Lusa o presidente do HCS, Francisco Leitão. O presidente do clube adiantou que, para já, a avaliação aos estragos concluiu que a estrutura "não tem danos de maior", para além de um buraco e fissuras nas paredes, embora se mostre preocupado caso as chuvas provoquem mais deslizamentos na encosta.

Mau tempo derruba muro de suporte 

As chuvas fortes provocaram um deslizamento de terras e pedras, em 20 de novembro, na encosta atrás do pavilhão, derrubando um muro de suporte, o que danificou paredes e partiu vidros do equipamento desportivo. 

O HCS prepara-se para receber, no sábado, o Sport Lisboa e Benfica B, em mais um jogo de hóquei em patins para o campeonato nacional da 2.ª divisão sénior, e, no domingo, o Sporting Clube de Portugal, nos encontros regionais de benjamins (1.ª fase -série E).

"O Hockey não tem condições para fazer aqueles trabalhos", esclareceu Francisco Leitão, em relação à remoção dos escombros e à consolidação da encosta, deixando o aviso de que, "se for obrigado a efetuar as reparações pela câmara, o clube vai acabar".

Moradores preocupados

Enquanto no pavilhão se vedaram os lugares na bancada junto à parede mais afetada, moradores de vivendas no topo da encosta receiam pela estabilidade dos terrenos. 

"A câmara já tinha sido avisada, porque além da água que escorria também cheirava muito a esgoto", contou Liberto Silva, 70 anos, residente no n.º 19 da Rua António Medina Júnior. O morador queixou-se de fissuras nas paredes, principalmente nas traseiras que dão para o pavilhão, e lamentou que a fiscalização municipal não tenha dado mais atenção ao risco de derrocada. O proprietário da moradia do lado, Simon Heywood, confirmou que a câmara foi alertada "desde maio" deste ano para o risco de deslizamentos, perante "as fissuras" detetadas nas paredes das habitações. 

"Estamos a monitorizar a situação, que está estável e não oferece qualquer perigo para as populações", disse Ana Queiroz do Vale, diretora da Proteção Civil municipal, acrescentando que, na sequência da avaliação técnica após a derrocada, "não existe qualquer indicação para interditar o pavilhão".


A dirigente municipal adiantou que "está a ser avaliada" a responsabilidade da remoção dos escombros e reparação da barreira, mas notou que "o muro é propriedade do Hockey" e que cabe aos privados assegurar a manutenção nas suas propriedades.

Hockey Club de Sintra HCS acidente deslizamento de terras danifica pavilhão diretora da Proteção Civil
Ver comentários
Newsletter Diária Resumo das principais notícias do dia, de Portugal e do Mundo. (Enviada diariamente, às 9h e às 18h)