Barra Cofina

Correio da Manhã

Sociedade
3

Docentes de um colégio pressionados para justificarem adesão à greve

Três professores de um colégio em Coimbra, que aderiram à greve geral em Novembro, estão a ser pressionados pela direcção para justificarem a ausência ao trabalho naquele dia, sob pena de incorrerem em falta injustificada e infracção grave.
14 de Fevereiro de 2012 às 14:57
Docentes de um colégio estão a ser pressionados para justificarem adesão à greve
Docentes de um colégio estão a ser pressionados para justificarem adesão à greve FOTO: João Miguel Rodrigues

"Em Janeiro recebemos uma carta do director do colégio a dizer que seria marcada falta injustificada e considerada infracção grave, por não termos ainda apresentado uma justificação", disse à Lusa um dos visados por esta situação, que se passa no Colégio de São Teotónio.

A mesma fonte acrescentou que, em resposta, alegou o direito à greve, o que implica não ter de dar qualquer justificação para aquele dia, 24 de Novembro de 2011, abrangido por um pré-aviso de greve.

O director terá dito que respeita o direito à greve, mas que duvida da não necessidade de justificação nas acuais circunstâncias. Convidou ainda os docentes a apresentarem as suas razões de queixa para com a entidade patronal para depois decidir o que fazer, em função da resposta.

"Voltei a dizer que não tinha nada a justificar", referiu a fonte, considerando a insistência uma forma de pressão para evitar que futuramente outros docentes aderiram a paralisações: "Para mim é uma atitude intimidatória e ilegal".

A Lusa contactou a Federação Nacional dos Professores (FENPROF), que condenou a atitude do director e se manifestou disponível para levar o caso até às últimas consequências.

"O comportamento desse senhor é o de um fascista", disse o secretário-geral da FENPROF, Mário Nogueira, garantindo que o Sindicato dos Professores da Região Centro tenciona apresentar queixa na Autoridade para as Condições de Trabalho (ACT).

Mário Nogueira considerou ainda mais grave o facto de se tratar de um colégio com contrato de associação com o Estado, do qual recebe financiamento.

"É inaceitável que venha dizer que um desses professores não pode estar a fazer greve e pedir justificações", afirmou.

Para o líder da FENPROF, trata-se de um acontecimento "inaceitável e absolutamente terrorista do ponto de vista democrático".

Da parte do sindicato promete "a resposta adequada" à situação, ou seja, queixas em todas as instâncias possíveis, desde a ACT ao Tribunal Constitucional, se for "necessário e possível".

A Lusa contactou igualmente o colégio, mas foi informada de que o director, o padre Manuel Dias, estaria ocupado durante todo o dia com outros assuntos.

Ver comentários
Newsletter Diária Resumo das principais notícias do dia, de Portugal e do Mundo. (Enviada diariamente, às 9h e às 18h)