Barra Cofina

Correio da Manhã

Sociedade
8

Doentes com lúpus podem engravidar

A gravidez tem de ser planeada e só deve acontecer quando a doença estiver inativa há cerca de seis meses.
Daniela Polónia 18 de Agosto de 2018 às 09:44
Gravidez
Recém-nascido
Jorge Martins
Lúpus
Rita Jorge
Gravidez
Recém-nascido
Jorge Martins
Lúpus
Rita Jorge
Gravidez
Recém-nascido
Jorge Martins
Lúpus
Rita Jorge
As mulheres com lúpus podem engravidar, diria até que devem, embora com alguns cuidados. A gravidez tem de ser planeada e só deve acontecer quando a doença estiver inativa há cerca de seis meses para que se possa garantir uma gravidez mais segura", explica Jorge Martins, especialista em medicina interna.

O lúpus é uma doença autoimune que atinge oito a dez vezes mais as mulheres em idade fértil, em comparação com os homens. A patologia pode afetar todos os órgãos e sistemas e apresenta diferentes sintomas. "As consequências vão desde a dor de cabeça às dores musculares e articulares, à vermelhidão da pele, ao acidente vascular cerebral e ao enfarte do miocárdio", diz o médico.

Antes de a mulher engravidar, poderá ser necessário ajustar a medicação para o lúpus. E, durante a gestação, a doente deve ser seguida não só pelo médico obstetra mas também pelo internista e outros especialistas, sempre que necessário.

"Desde que seja devidamente seguida, embora seja sempre entendida como gravidez de risco, não haverá riscos de maior para a paciente, se a gravidez tiver sido planeada. Aconselho a utilização de anticoncecionais orais, nomeadamente os que têm maior percentagem de progesterona, o que facilita, enormemente, a programação da gravidez", garante Jorge Martins. Os riscos para o feto são poucos se houver sempre o devido acompanhamento médico da grávida e esta seguir as indicações. Nestas condições, os casos de abortos espontâneos são raros.

Em alguns casos, há bebés prematuros, mas estes são saudáveis. "Um bloqueio auriculoventricular poderá ocorrer em determinadas e previsíveis circunstâncias e, assim, pode ser evitado ou corretamente tratado. O lúpus neonatal também pode ser prevenido", afirma o médico do Hospital Central do Funchal.

DISCURSO DIRETO
Jorge Martins, especialista em Medicina Interna
"Problema pode ser controlado"
Quais são as causas do lúpus?
Jorge Martins - Não há causa conhecida. Por isso, é normal que se levantem as mais diversas teorias desde a genética, ao meio ambiente, às infeções, à exposição solar e ao trauma físico ou psíquico. São apontados isoladamente ou em combinação diversa.
É uma doença tratável?
Jorge Martins - Sim. Estamos a falar de uma doença inflamatória crónica que, embora não tenha cura, pode ser devidamente controlada, para que os doentes possam ter uma vida normal.
Qual é a importância do tratamento atempado?
Jorge Martins - Há lesões que podem ser irreversíveis e com danos para a saúde, esperança e qualidade de vida.

PORMENORES
Sistémico e discoide
O lúpus sistémico é a forma mais generalizada da doença, podendo afetar qualquer órgão ou sistema do corpo. O discoide é limitado à pele mas pode evoluir para lúpus sistémico.

Cansaço e úlceras
O cansaço e a perda de apetite estão entre os sintomas desta doença. Em alguns pacientes, há ainda perda de cabelo e a formação de úlceras na boca e também no nariz.

Diagnóstico
O diagnóstico do lúpus está relacionado com o historial clínico do doente. São ainda feitos testes ao sangue e à urina. Devido à diversidade de sintomas, o diagnóstico pode ser difícil.

Manchas vermelhas aparecem na cara
Um dos sintomas do lúpus é o aparecimento de manchas vermelhas na cara, sobretudo nas bochechas e no nariz, em forma de borboleta. Nessas zonas, pele fica mais elevada.

O MEU CASO
"Nunca tive sintomas durante toda a gravidez"
A Rita Jorge não lhe faltaram os sintomas de lúpus: um enfarte do miocárdio, manchas na cara, dores articulares fadiga e problemas nos rins.
"Quando estava a chegar aos 40 anos, a doença estava controlada e pensei em engravidar. Fiz análises e os médicos deram-me luz verde", explica a antropóloga, agora com 42 anos. Rita Jorge, que vive em Lisboa, recorda que teve "muita sorte" porque durante toda a gravidez nunca chegou a ter sintomas da doença.
"Fiz mais ecografias e análises do que uma grávida sem lúpus. No fim, chegava até a fazer exames todas as semanas, era uma diferença abismal", diz. A mulher afirma ainda que a medicação que tomava para o lúpus não a impediu de amamentar o filho até aos nove meses. O parto foi normal.

Fisioterapia ajuda a relaxar os músculos
No lúpus, os músculos e articulações podem ser afetados. A doença não tem cura mas pode ser controlada, nomeadamente no que diz respeito às dores nestas regiões do corpo. É essencial manter o equilíbrio entre o exercício físico e o repouso. A fisioterapia, por exemplo, ajuda a relaxar e a manter a função dos músculos e das articulações.

Saiba mais sobre esta doença no guia prático Médico em Casa, todos os dias nas bancas com o Correio da Manhã.

Sintomas 
  • Erupções cutâneas avermelhadas
  • Mancha em formato de borboleta no rosto
  • Febre
  • Mal-estar geral
  • Anorexia
  • Perda de peso
  • Fadiga
  • Artralgia (dor nas articulações)
  • Queda de cabelo
  • Úlceras na mucosa oral
  • Anemia

Como se trata
Não há cura para a doença. O tratamento atua sobre as diferentes manifestações da doença de modo a minorá-las, utilizando anti-inflamatórios não esteroides, corticoides e imunossupressores. 
Ver comentários
Newsletter Diária Resumo das principais notícias do dia, de Portugal e do Mundo. (Enviada diariamente, às 9h e às 18h)