Enfermeiro aposentado vive num carro em Cascais

Celestino Paradanta, de 70 anos, alega ter sido vítima de esquema montado pela ex-companheira.
Por M.B.|20.01.19

Um ex-enfermeiro do Hospital Júlio de Matos, com cerca de 70 anos, vive há meio ano num carro, estacionado no parque de uma superfície comercial, na freguesia de São Domingos de Rana, em Cascais. Celestino Paradanta vive a menos de 1 quilómetro da casa que reclama como sua e de onde uma decisão do tribunal – que o condenou por violência doméstica – terá imposto o seu afastamento coercivo. É sem-abrigo, mas gere todos os meses uma reforma superior a dois mil euros.

"A pessoa em causa [a ex-companheira] simulou todos os acontecimentos – violência doméstica e agressões – e agrediu-me. Fiquei em choque, pânico, sofro de amnésia, stresse traumático e emocional", revela ao Correio da Manhã. É perentório: "Só quero a minha casa. Quero a casa que os gatunos roubaram". 

Conta que abandonou a residência de rés-do-chão e primeiro andar, de que diz ser legitimo dono, a 29 de setembro de 2013. À data dos factos – a que remonta a decisão judicial – Celestino viveria em união de facto com a companheira e os dois filhos. "Não era minha mulher. Dei-lhe casa para ela viver, ela e os filhos. Era minha conhecida. Eu vivia num quarto, ela vivia noutro", conta o idoso, rejeitando que mantivesse qualquer relação com a mulher, hoje com cerca de 60 anos. Recusa assumir a paternidade dos dois jovens com quem partilhou casa: "Simulou tudo com a ajuda dos filhos dela. Simulou toda a engrenagem para me tirar os pertences e a casa".

Celestino garante que vive na rua há mais de dois anos. "Já fui, já voltei, já fui para vários lados", comenta. Depois de imposto o afastamento da residência, dividiu casa com familiares, em Lisboa. "Família que eu não considero. Roubaram-me todos os pertences e puseram-me fora de casa", conta. Justifica o novo conflito com a anterior quezília doméstica. Pernoita deste então no interior do carro, estacionado diante de uma superfície comercial em São Domingos de Rana.

Não entra em detalhes quanto aos rendimentos com que subsiste e recusa revelar a atividade que o conduziu à reforma, mas ao que o Correio da Manhã apurou, Celestino Paradanta exerceu funções como enfermeiro graduado no Centro Hospital Psiquiátrico de Lisboa (antigo Hospital Júlio de Matos), instituição de onde se aposentou, em agosto de 2011, com uma pensão mensal de 2048,69 euros, de acordo com a informação publicada em Diário da República.  

"Queria que me dessem apoio, mas ainda não me deram", esclarece Celestino, questionado sobre se lhe é prestado algum tipo de auxílio social. Contactada pelo CM, a Junta de Freguesia de São Domingos de Rana esclarece que está a acompanhar o caso, mas diz tratar-se de uma "questão de justiça". A disputa levou o executivo da Junta a reunisse de emergência na semana passada.  

"Nunca fiz mal a ninguém", conclui Celestino Paradanta.

pub

pub

Ver todos os comentários
Para comentar tem de ser utilizador registado, se já é faça
Caso ainda não o seja, clique no link e registe-se em 30 segundos. Participe, a sua opinião é importante!