Barra Cofina

Correio da Manhã

Sociedade
6
Ao minuto Atualizado às 02:58 | 20/11

Vacinação Covid, testagem em massa uso de máscara: Os alertas dos especialistas no Infarmed

Primeiro-ministro já avançou não antever a necessidade de adotar medidas de controlo da pandemia que impliquem um novo estado de emergência.
Lusa 19 de Novembro de 2021 às 15:09
Reunião do Infarmed
Reunião do Infarmed
Reunião do Infarmed
Reunião do Infarmed
Reunião do Infarmed
Reunião do Infarmed
Reunião do Infarmed
Reunião do Infarmed
Reunião do Infarmed
Especialistas de várias áreas da saúde e políticos voltaram a reunir-se esta sexta-feira para avaliar a evolução da pandemia da Covid-19, numa altura em que se regista um aumento de infeções em Portugal e na Europa.

Esta reunião na sede do Infarmed, em Lisboa, foi convocada pelo primeiro-ministro, António Costa, que já avançou não antever a necessidade de adotar medidas de controlo da pandemia que impliquem um novo estado de emergência.

Reunião contou também, pela parte política, com a participação do chefe de Estado, Marcelo Rebelo de Sousa, do presidente da Assembleia da República, Ferro Rodrigues, e de membros de partidos com representação parlamentar.

Ao minuto Atualizado a 20 de nov de 2021 | 02:58
16:41 | 19/11

Medidas de controlo da pandemia

Professora Raquel Duarte, da ARS Norte, apresentou medidas para prevenir e controlar a pandemia. 

Temos um menor número de casos, de morte e de internamentos do que há um ano.

"Com o Natal, por causa da mobilidade e da concentração temos o risco de triplicar o número de casos", disse a especialista. 

A vacinação é o principal eixo que nos permite controlar a pandemia. No entanto, "precisamos de aumentar a cultura do autoteste, adaptando as estruturas de testagem", reforçou. 

Raquel Duarte reforça que é preciso monitorizar as variantes e cortar as cadeias de transmissão. Relativamente ao Certificado Digital Covid propõe a apresentação de teste negativo para além do certificado em contextos interiores, aglomerados e sem máscara.

O certificado deve ser usado ainda como garantia adicional de segurança para além de testagem à entrada do País ou até 48h00 de permanência em Portugal.

A especialista acrescenta que a
 estratégia deve passar por vacinar, promover a qualidade do ar, distânciamento social, uso de máscara e aumento da testagem. 

Posto isto, Raquel Duarte reforça que as medidas devem passar por uma adequação da ventilação e climatização dos espaços, utilização do certificado digital Covid com teste à Covid recente para os espaços públicos, distanciamento físico, com definição de número máximo de pessoas por metro quadrado, utilização obrigatória de máscara em ambientes fechados e eventos públicos e em todas as situações de aglomerados não controlados.

Para o o contexto laboral os especialistas referem que deve haver um desfasamento de horário e teletrabalho sempre que possível.

Os eventos de grande dimensão não se devem realizar "se não for possível controlá-los". 

Durante a circulação em espaços públicos
é recomendada a distância de segurança bem como o uso de máscara.

Em convívios familiares alargados, devem ser realizados autotestes e avaliada a realização de eventos dessa natureza. 

Nos centros comerciais, devem ser aplicadas as medidas já em vigor. 

Nos lares, deve haver promoção de medidas de prevenção individual, do certificado e testagem regular para funcionários e visitas e promoção de medidas de controlo da infeção.

Nos transportes públicos, deve haver um cuidado com a ventilação ou em alternativa manter janelas abertas, e utilização obrigatória de máscara.

16:29 | 19/11

Especialista reforça a importância do uso da máscara

Margarida Gaspar de Matos, especialista em Ciências Comportamentais, referiu que os comportamentos da população são fundamentais.

"A maior parte dos jovens acha que não está em risco", referiu e avançou que a forma de comunicar com a população é fundamental. 

"É necessário ter planos de ação articulados com planos de comunicação", acrescentou. 

Margarida Gaspar de Matos realçou a importância de comportamentos preventivos como o distanciamento social e o acesso a máscaras novas. Especialista reforça a importância do uso da máscara. 
16:16 | 19/11

Coronel diz que ainda há 730 mil pessoas por vacinar

Coronel Penha-Gonçalves do núcleo do processo de vacinação contra a Covid-19 e a Gripe fez um ponto de situação. 

Penha-Gonçalves revela que há vários mecanismos para chamar as pessoas para a vacinação mas que vão dar início a procesos mais dinâmicos como a modalidade Casa Aberta e o autoagendamento. 

Portugal tem, neste momento, 304 postos de vacinação Covid com capacidade para administrar 460 mil doses por semana. 

Coronel Penha-Gonçalves revelou que há cerca de 73% da população com mais de 80 anos vacinados contra a gripe, 42% dos 70 aos 79 anos e 20% dos 65 aos 79, isto perfaz um total de cerca de um milhão e 400 mil pessoas.

O Coronel avançou que ainda há 730 mil pessoas por vacinar, o que dá 25 mil vacinas por dia. Situação que considera "perfeitamente possível e dentro do que tem acontecido".

A adesão à dose de reforço da vacina Covid é de 80%, refere. 


16:02 | 19/11

149 dias depois de completada a vacinação, a efetividade da vacina ronda os 47%

A especialista Ausenda Machado reforçou a eficácia das vacinas contra a Covid-19. 

A efetividade das vacinas é demonstrada, maioritariamente, nos mais jovens. A investigadora diz que a proteção conferida pela vacina na população com 30 e mais anos está "de uma forma geral acima de 50%". A efetividade das vacinas varia com a idade.

Ausenda Machado explicou que o utente atinge o máximo da efetividade entre os 14 e 41 dias após a toma da vacina. 

A especialista do Instituto Ricardo Jorge referiu que 149 dias depois de completada a vacinação, a efetividade fica nos 47%. A estimativa que diz respeito a cinco meses após a toma da vacina "tem baixa precisão". 

15:46 | 19/11

É preciso vacinar toda a população antes do período de maior transmissibilidade que é atingido no final de dezembro, diz Baltazar Nunes

Baltazar Nunes, do Instituto Nacional de Saúde Doutor Ricardo Jorge apresentou o impacto da vacinação Covid na população portuguesa. 

O especialista garante que com a taxa de crescimento de casos Portugal vai atingir os 240 casos por 100 mil habitantes em duas semanas. 
 
Baltazar Nunes apresentou um gráfico onde mostrou que à medida em que a cobertura vacinal aumenta a incidência e a mortalidade diminiu. "Podemos claramente observar uma relação negativa: à medida que a cobertura vacinal aumenta a incidência a 14 dias diminui e Portugal coloca-se como o país claramente com melhor cobertura vacinal". Na mortalidade, acontece o mesmo. "Isto sugere que a cobertura vacinal tem um impacto populacional a nível de redução da mortalidade".

Já observamos perda de efetividade da vacina com o passar o tempo mas já existem medidas implementadas relativa a essa perda de efetividade.  

É preciso vacinar toda a população antes do período de maior transmissibilidade que é atingido no final de dezembro.



15:29 | 19/11

Adesão à vacinação contra Covid-19 em Portugal "preveniu 200 mil infeções e 2300 vidas"

O Professor Henrique Barros,do Instituto de saúde Pública da Universidade do Porto,  revelou que ao comparar situação atual com a de há 1 ano é necessário reforçar a diminuição genérica da frequência da doença que foi reforçada com o processo de vacinação. 

"A situação portuguesa emcontra-se muito melhor do que há um ano", reforçou Henrique Barros. 

"É extraordinariamente evidente que o aumento de casos que vivemos agora é mais baixo face ao período homólogo", acrescentou.  

Com o início da terceira dose começam a descer os casos nas faixas etárias mais altas.

Os números que vivemos agora são totalmente diferentes dos que vivemos em novembro e dezembro do ano passado e janeiro deste ano. 

Desde maio até agora a vacina, a adesão dos portiugueses à vacinação terá poupado 200 mil infeções, 55 mil dias de internamento e 2300 vidas.
15:09 | 19/11

Grupo etário até aos nove anos é o que regista maior incidência da Covid-19

O especialista Pedro Pinto Leite apresentou a situação epidemiológica em Portugal e na Europa. 

Portugal encontra-se na quinta fase pandémica em que os casos e a mortalidade está inferior às fases pandémicas que Portugal já ultrapassou. 

Neste momento há uma tendência crescente de contágios em Portugal. 

As regiões com maior incidência é o Algarve, a seguir o Centro e, seguidamente, a região Autónoma da Madeira.  As regiões de Lisboa e Vale do Tejo, o Alentejo e o Porto são as regiões com uma incidência menor. 

O grupo etário até aos 9 anos é o que regista maior incidência da Covid-19 seguindo-se a faixa dos 20 aos 39 anos. 

Os principais surtos correspondem a escolas e universidades.

A região do Algarve é a região com maior incidência em Portugal e poderá haver circulação comunitária da variante do Reino Unido. 

A taxa de mortalidade a 14 dias por 100 mil habitantes encontra-se a 11,1% e a taxa de incidência é de 203 casos por 100 mil habitantes. 

Relativamente à situação europeia Portugal está abaixo da incidência e taxa de mortalidade. Há seis países na categoria de preocupação muito elevada: Croácia, Eslovénia, Polónia, Hungria, Grécia e República Checa, com incidências que chegam a dois mil casos por 100 mil habitantes.

O risco de internamento foi 2 a 5 vezes menor nas pessoas com vacinação completa. Quanto à letalidade, em outubro de 2021, foi 1,4 a 4 vezes menor nas pessoas com vacinação completa.

"A vacinação reduziu o risco de internamento e de morte", reafirmou o especialista. Portugal encontra-se a progredir atendendo às tendências e demonstra uma resposta de controlo. 

Portugal Europa política organizações internacionais questões sociais governo (sistema) executivo (governo)
Ver comentários