Barra Cofina

Correio da Manhã

Sociedade

Faltou estratégia no desconfinamento, diz pneumologista Filipe Froes

Portugal registou mais oito mortes causadas pela covid-19 do que na segunda-feira e mais 229 infetados.
Lusa 30 de Junho de 2020 às 23:49
Pneumologista Filipe Froes
Pneumologista Filipe Froes FOTO: Pedro Catarino
O pneumologista Filipe Froes considerou esta que o país teve uma estratégia no confinamento devido à pandemia de covid-19, mas faltou "uma estratégia clara" no desconfinamento.

"Falhámos, desconfinámos com novos casos a rondar os 200 e não valorizamos os assintomáticos", disse numa cerimónia em Lisboa para apresentação de um manifesto com o tema "Salvar o SNS -- estamos do lado da solução", que foi assinado por duas dezenas de personalidades e que apresenta propostas para "salvar" o Serviço Nacional de Saúde (SNS).

O clínico acrescentou: "Ao contrário da mitigação, no desconfinamento não houve uma estratégia clara. Não tivemos a capacidade de transformar dados epidemiológicos em conhecimento de saúde pública. Temos de mudar, ir à procura do vírus e não do doente".

O documento foi lançado por um grupo de cidadãos, a maioria profissionais de saúde, e propõe medidas como o reforço do investimento em profissionais e equipamentos, com prioridade para as regiões de maior carência.

Presente no final da apresentação do manifesto a ministra da Saúde, Marta Temido, apoiou a iniciativa, considerando que os autores tocam em "preocupações essenciais", como o investimento ou a valorização dos profissionais da saúde.

Na sua intervenção Filipe Froes já tinha afirmando que a pandemia de covid-19 revelou a importância do conhecimento e do SNS, bem como das suas fragilidades, acrescentando que é importante reformular o SNS, porque uma pandemia como a que agora decorre "vai voltar a acontecer".

Outros intervenientes, como a médica endocrinologista Isabel do Carmo, a gestora hospitalar Ana Sofia Ferreira, o diretor do Instituto Português de Oncologia, João Oliveira, ou o médico de família João Rodrigues também defenderam mudanças do SNS e propuseram soluções, sempre considerando como indispensável reforçar o investimento público na saúde, remunerar melhor os profissionais, modernizar as áreas de diagnóstico e terapêutica e requalificar instalações e equipamentos.

Marta Temido considerou no final que é "evidente" ser preciso pagar melhor aos profissionais de saúde, mas que esse é um tema "particularmente difícil" num momento económico e financeiro como o atual, decorrente da crise provocada pela pandemia.

Responder positivamente às expectativas só é possível "com outras formas" de trabalho, porque "muitos dos males" do SNS têm a ver com "métodos de trabalho e organização do tempo de trabalho", disse a ministra, considerando que a pandemia permitiu refletir sobre o papel do SNS.

No manifesto os signatários avaliam positivamente a resposta pública à [pandemia de] covid-19, mas estão "preocupados com a situação" do SNS e empenhados em contribuir para "encontrar soluções", lê-se no documento.

"A resposta do SNS à covid-19 foi completa, não podendo ser ignoradas as medidas de reconfiguração de serviços, desde a saúde pública aos hospitais. Quem apregoava o 'caos' que se ia viver no SNS, quem tentou ser alarmista em tempo de ser sereno, perdeu a causa, refere o manifesto.

Portugal registou hoje mais oito mortes causadas pela covid-19 do que na segunda-feira e mais 229 infetados, cerca de 82% dos quais na Região de Lisboa e Vale do Tejo, segundo a Direção-Geral da Saúde (DGS).   

 

Mais informação sobre a pandemia no site dedicado ao coronavírus - Mapa da situação em Portugal e no Mundo. - Saiba como colocar e retirar máscara e luvas - Aprenda a fazer a sua máscara em casa - Cuidados a ter quando recebe uma encomenda em casa. - Dúvidas sobre coronavírus respondidas por um médico Em caso de ter sintomas, ligue 808 24 24 24
Filipe Froes SNS Região de Lisboa Marta Temido saúde serviço nacional de saúde questões sociais
Ver comentários
Newsletter Diária Resumo das principais notícias do dia, de Portugal e do Mundo. (Enviada diariamente, às 9h e às 18h)