Barra Cofina

Correio da Manhã

Sociedade
9

Gaguez é quatro vezes mais comum entre os homens

Discurso apresenta falhas, que por vezes estão associadas a gestos involuntários.
Francisca Genésio e João Saramago 20 de Outubro de 2019 às 10:31
Gaguez
Gaguez FOTO: Getty Images
É mais comum nos homens, sendo estimado que em cada cinco pessoas com gaguez quatro são do sexo masculino. Corresponde a uma perturbação da fala em que embora a pessoa saiba o que pretende dizer, involuntariamente efetua repetições, prolongamentos das palavras, pausas não esperadas ou bloqueios em que o som da fala é alterado ou interrompido.

"Em Portugal, a gaguez, ou, mais corretamente, a perturbação da fluência é incidente em cerca de 1% da população adulta", referiu a terapeuta da fala Lina Marques de Almeida. "Associado ao discurso, o indivíduo pode apresentar movimentos involuntários da face e do corpo", acrescentou a terapeuta precisando que estes movimentos podem ser: "Piscar de olhos, levantamento dos ombros, balançar do corpo e tremor dos lábios". Lina Marques de Almeida explicou "que estes movimentos não podem ser confundidos com tiques".

A gaguez pode ser associada a uma redução da autoestima, isolamento social, ansiedade e, no caso das crianças, ser um fator de humilhação ou de segregação dos colegas. Na origem da gaguez podem estar fatores genéticos, uma vez que cerca de 60% dos casos têm associada uma história familiar. Também se admitem causas neurológicas e psicossociais relacionadas, por exemplo, com o meio envolvente.

Discurso Direto
Lina Marques de Almeida, terapeuta da fala
"Não diga para ter calma"

CM
- A uma pessoa com gaguez é aceitável dizer para "falar mais devagar"?
Lina Marques de Almeida - Dizer à pessoa que gagueja para "respirar fundo", para "ter calma" ou "pensar antes de responder e falar mais devagar" não a ajuda. Estes ‘conselhos’ fazem com que a pessoa se sinta mais consciente das disfluências e, quando tenta colocar em prática aquilo que ouve, fica frustrada porque não resulta.

- Ao cantar não se gagueja?
- Sim. Porque a cantar ativamos uma área cerebral diferente da fala e porque a letra da canção, por norma, não é da pessoa com gaguez, logo é impessoal.

- Há terapia?
- Um terapeuta da fala tem competências para ensinar métodos que facilitem a fluência do discurso.

PORMENORES
Dificuldade transitória
Cerca de 5% das crianças com idades entre os 2 e os 5 anos têm gaguez transitória, que tem no máximo uma duração de seis meses. Em dois terços dos casos desaparece. Ao longo da vida pode surgir em qualquer idade.

Susto não causa gaguez
Há fatores erradamente associados à gaguez, como o nervosismo ou um susto. Para sensibilizar a população sobre esta condição, na terça-feira é assinalado o Dia Internacional de Consciencialização para a Gaguez.
Lina Marques de Almeida Gaguez questões sociais saúde educação universidades
Ver comentários
Newsletter Diária Resumo das principais notícias do dia, de Portugal e do Mundo. (Enviada diariamente, às 9h e às 18h)