Barra Cofina

Correio da Manhã

Sociedade
9

Gata queimada no forno em Braga está a ser tratada com pele de peixe

Ariel foi levada ao veterinário com metade do corpo coberto por queimaduras graves.
Correio da Manhã 30 de Novembro de 2022 às 16:06
Gata queimada no forno está a ser tratada com pele de peixe
Gata queimada no forno está a ser tratada com pele de peixe

Ariel, a gata que sofreu queimaduras severas depois de ter sido colocada num forno, em Braga, está a ser tratada com o recurso um método natural cada vez mais usado no tratamento destes ferimentos, a pele do peixe de tilápia.

Pelo que o site Pet in Town (PIT) conseguiu apurar, a família que adotou Ariel levou-a ao veterinário uma semana após o sucedido, o que terá agravado a situação e a diminuído as probabilidades de sobrevivência da felina.

Segundo a versão da família, a filha de três anos colocou acidentalmente a gata de quatro meses no forno. Quando os donos a levaram ao veterinário, o animal de estimação tinha metade do corpo queimado e apresentava um prognóstico de saúde muito grave.

A SOS bigodes, associação de resgate animal com sede em Barcelos, Braga, foi contactada pela clínica veterinária após os tutores afirmarem que não tinham condições financeiras para cobrir os gastos necessários com a recuperação do animal. Perante as incoerências na história contada pelos donos, a associação já apresentou queixa.

Um dia depois Ariel entrar nos cuidados intensivos, foi decidido que se avançaria com um tratamento menos conhecido do público, o recurso à pele do peixe de tilápia.

"Este tratamento ajuda em casos de queimaduras muito graves e foi indicado pela veterinária. O tratamento foi oferecido pela médica veterinária, Mônica Kienzle, à qual estamos extremamente agradecidos pela sua generosidade!", divulga a SOS Bigodes numa publicação sobre o estado de saúde do animal.

O recurso à pele do peixe no tratamento de queimaduras tem vindo a ganhar destaque na comunidade médica devido à sua eficácia. "A pele da tilápia ajuda a proporcionar proteção, alívio da dor e também transfere proteínas e colagénio que promovem a regeneração e cura da pele. O tratamento pode ser utilizado para humanos e é de vanguarda para animais", refere a associação norte-americana de proteção animal  Nebraska Humane Society.

As perspetivas de recuperação para a gata de quatro meses eram reduzidas, mas a mesma tem-se demonstrado resistente. "A nossa pequena é uma lutadora, tem muita força de viver, está estável e a recuperar bem! Ainda não foi possível remover toda a pele necrosada, mas aos poucos tudo vai dar certo! Nós acreditamos e a Ariel também", conta no Instagram a associação SOS Bigodes.

Tilápia SOS Bigodes animais questões sociais maus-tratos interesse humano
Ver comentários
C-Studio