Barra Cofina

Correio da Manhã

Sociedade
5

Greve dos enfermeiros condiciona hospitais

Sindicato aponta uma participação de 75%.
João Saramago 14 de Outubro de 2016 às 08:43
A greve dos enfermeiros, que arrancou ontem pelas 08h00 e está prevista terminar à meia-noite de hoje, condicionou "o normal funcionamento dos hospitais e centros de saúde", revelou o presidente do Sindicado dos Enfermeiros Portugueses, José Carlos Martins.

O dirigente sindical avançou que se registou, ontem, uma adesão média de 75%, com a consequente desmarcação de consultas e adiamento de cirurgias. Contudo, notou que o Hospital de São José, em Lisboa, foi um dos mais afetados, com uma taxa de adesão na ordem dos 93 por cento.
Nas instalações do hospital verificou-se alguma demora no atendimento, segundo apurou o CM junto dos utentes. Gualdino Barros, 78 anos, vítima de um AVC isquémico, disse que aguardou um pouco mais do que é habitual porque "a enfermeira estava cheia de trabalho".

Américo Soares, de 70 anos, residente em Odivelas, explicou que realizou um exame à próstata e que decorreu tudo dentro da normalidade. "Fui atendido por uma enfermeira e não houve qualquer contratempo." Já Alice Ferreira, 57 anos, de Lisboa, contou que teve de ser um médico a fazer-lhe o penso, na sequência de uma queda.

Os enfermeiros reivindicam a reposição das 35 horas de trabalho por semana a todos os profissionais e um salário em início de carreira de 1518 euros.
Ver comentários
Newsletter Diária Resumo das principais notícias do dia, de Portugal e do Mundo. (Enviada diariamente, às 9h e às 18h)