Barra Cofina

Correio da Manhã

Sociedade
4

Greve dos revisores da CP de 20 e 21 de maio foi suspensa

Governo chegou a acordo de "contratação de trabalhadores operacionais" e outras áreas necessárias da CP.
Lusa 17 de Maio de 2019 às 23:45
Comboios da CP
Comboio da CP
Estação da CP em Tomar
Comboios da CP
Comboio da CP
Estação da CP em Tomar
Comboios da CP
Comboio da CP
Estação da CP em Tomar
O Sindicato Ferroviário da Revisão e Comercial Itinerante (SFRCI) suspendeu esta sexta-feira o pré-aviso de greve marcada para segunda e terça-feira depois de o Governo ter acordado "a contratação de trabalhadores operacionais" e outras áreas necessárias da CP.

Em comunicado, o SFRCI adianta que, na sequência de uma reunião com o ministro das Infraestruturas, Pedro Nuno Santos, "em concertação com o Ministério das Finanças, com vista à manutenção de um processo de diálogo e concertação laboral", ficou acordado entre as partes "a contratação de trabalhadores operacionais da área comercial e outras áreas necessárias à operação da CP - Comboios de Portugal", entre outras matérias.

Nesse sentido, o SFRCI "decidiu suspender o pré-aviso de greve em vigor para os dias 20 e 21 de maio, por considerar que estão estabelecidas as condições indispensáveis para a manutenção de uma plataforma de entendimento, que se pretende estável e duradoura", conclui o sindicato.

A greve abrangia os revisores, trabalhadores de bilheteiras e outros funcionários da CP -- Comboios de Portugal.

A paralisação nacional tinha sido convocada para protestar contra o "incumprimento de dois acordos que o Governo fez com este sindicato, o primeiro em setembro de 2017, que visava recrutar 88 trabalhadores para a área comercial e que ainda não está concretizado", disse no final de abril à Lusa o presidente do SFRCI.

A outra promessa que o SFRCI afirma não ter sido concretizada é "a negociação do acordo coletivo de trabalho, que tem 20 anos, e que deveria ter sido finalizado até 30 de setembro".

Esta sexta-feira, também em comunicado, o Governo tinha anunciado que "está a analisar e desenvolver um conjunto de medidas" para responder às necessidades operacionais e de pessoal da CP, reafirmando a "prioridade na ferrovia" como forma de promover a mobilidade.

Os ministérios das Finanças e das Infraestruturas e da Habitação, em comunicado conjunto, afirmaramm que o Governo reconhece "a importância da ferrovia enquanto instrumento imprescindível de mobilidade" e está "a analisar e desenvolver um conjunto de medidas com vista a corresponder às necessidades -- operacionais e de recursos humanos -- do transporte ferroviário CP".

A prestação do serviço ferroviário "ficará assente num contrato de obrigações de serviço público que, ainda em 2019, consagre um serviço de qualidade e seguro assente, entre outros aspetos, na existência de uma tripulação mínima de dois agentes nos comboios de transporte de passageiros (um maquinista e um agente de acompanhamento com as qualificações profissionais necessárias para as funções)", segundo o Executivo.

O Governo adiantou que "este compromisso com a qualidade do serviço público será reforçado através da estabilização dos recursos humanos necessários à atividade, nomeadamente com a autorização imediata da contratação de trabalhadores da área comercial e de outras áreas necessárias à operação da CP até ao final do mês de junho, que permita reduzir o número de horas suplementares realizadas, acomodar as saídas definitivas de trabalhadores e promover a segurança e a qualidade do trabalho".

Em paralelo com este processo, "iniciou-se já no passado mês de abril um processo negocial com vista à celebração de um novo acordo de empresa e regulamento de carreiras que traga melhores condições aos trabalhadores desta empresa", referiram os ministérios, o comunicado.

"O Governo reafirma, assim, a prioridade na ferrovia como ator fundamental na promoção da mobilidade da nossa população", adiantaram.
Ver comentários
Newsletter Diária Resumo das principais notícias do dia, de Portugal e do Mundo. (Enviada diariamente, às 9h e às 18h)