Barra Cofina

Correio da Manhã

Sociedade
8

Gripe A: "Pandemia ainda não terminou"

A Organização Mundial de Saúde (OMS) negou esta terça-feira no Conselho da Europa ter sido influenciada pelos fabricantes de vacinas para declarar o estado de pandemia da gripe A (H1N1).
26 de Janeiro de 2010 às 11:19
Último balanço da OMS responsabiliza vírus H1N1 pela morte de mais de 14 mil pessoas em todo o Mundo
Último balanço da OMS responsabiliza vírus H1N1 pela morte de mais de 14 mil pessoas em todo o Mundo FOTO: d.r.

Durante uma audição no Conselho da Europa, Keiji Fakuda, conselheiro especial da  OMS para as pandemias da gripe, indicou que a agência da ONU "não foi influenciada pelos laboratórios", aproveitando ainda para recordar que os peritos consultados "assinam uma declaração relativa aos seus interesses privados".      

"É uma pandemia formalmente estabelecida, que ainda não terminou", reforçou Fukuda à comissão da saúde da assembleia parlamentar do Conselho da Europa.        

"Um comité de peritos dos oito países mais expostos, seleccionados pelas suas competências individuais, considerou por unanimidade que todos os critérios estavam reunidos para declarar a pandemia" em Junho, adiantou o responsável da OMS.    

Antes desta assembleia, Wolfgang Wodarg, epidemiologista alemão, acusara a Organização Mundial de Saúde de ter exagerado quando estabeleceu o grau de pandemia a gripe A, alegando mesmo que a posição tomada pela OMS ocorrera devido a pressões das empresas farmacêuticas.

"Os laboratórios só esperavam isto enquanto a doença era relativamente  pouco severa", afirmou, considerando que os fabricantes de vacinas esperavam "receitas importantes".      

Wodarg acusou os laboratórios de terem "utilizado substâncias com efeitos mal conhecidos" fazendo correr eventuais riscos para a saúde das pessoas  vacinadas.      

Em resposta, Luc Hessel, médico representante dos fabricantes de vacinas europeus rejeitou estas acusações.         

"Efectuámos os testes de maneira rigorosa, rapidamente mas sem precipitação,  e com os benefícios dos últimos avanços tecnológicos", afirmou, acrescentando que entre 38 milhões de pessoas vacinadas na Europa “os problemas constatados  são catalogados de fracos e moderados”.   

O último balanço da OMS aponta o vírus H1N1 como responsável pela morte de mais de 14 mil pessoas em todo o Mundo desde que foi detectada em Março no continente americano.

Ver comentários
Newsletter Diária Resumo das principais notícias do dia, de Portugal e do Mundo. (Enviada diariamente, às 9h e às 18h)