Barra Cofina

Correio da Manhã

Sociedade
1

Hiperatividade confundida com falta de empenho escolar

Criança demonstra impulsividade, agitação, dificuldade em manter-se quieta ou calada.
Francisca Genésio 16 de Setembro de 2018 às 09:43
Professores
Professores e alunos
Alunos
Professores
Professores e alunos
Alunos
Professores
Professores e alunos
Alunos
A hiperatividade e o défice de atenção são, muitas vezes, confundidos com falta de concentração e empenho das crianças. E, até mesmo, com falta de educação. Dias depois do arranque do ano letivo, os especialistas alertam que "não se pode colocar tudo no mesmo saco" e há sinais aos quais os pais devem estar atentos. Em Portugal, estima-se que existam cerca de 120 mil casos identificados, sendo registados mais de 7 mil por ano.

Os encarregados de educação devem estar atentos a sintomas como impulsividade, agitação, dificuldade em manter-se quieto ou calado, dificuldade em manter a atenção numa atividade ou a facilidade de distração com estímulos externos.

Nos rapazes, os sinais de agitação motora são mais evidentes. As raparigas "apresentam sobretudo sinais de desatenção", explica ao CM o neuropediatra Nuno Lobo Antunes. Para o especialista, é fundamental que a família e a escola partilhem informações sobre o comportamento da criança.

"As crianças hiperativas têm mais dificuldade em focar-se em tarefas que exigem mais esforço mental", refere, sublinhando que "para realizar o diagnóstico é importante que diversos observadores, como pais, professores, profissionais de saúde, testemunhem o esforço".
O diagnóstico é maioritariamente feito aos seis anos, idade em que o aluno inicia o percurso escolar. "É preciso perceber se a hiperatividade prejudica a criança, não só na escola, mas também na sua qualidade de vida", disse.

Discurso Direto
Nuno Lobo Antunes 
Diretor do PIN-Progresso Infantil 
"Causa é claramente genética"
CM
- Qual a causa desta perturbação mental?
Nuno Lobo Antunes
– É claramente genética. O que não quer dizer que não haja influência de fatores ambientais, até porque cerca de dois terços das crianças com hiperatividade têm perturbações de outra ordem, como ansiedade, comportamentos de oposição, entre outros.

– Como é feito o diagnóstico?
– O primeiro passo é fazer uma avaliação, certificarmo-nos de que os critérios estão confirmados e que não há outras doenças ou uma causa externa. Depois, há a questão da medicação. É estipulada uma estratégia que envolve medicação e/ou acompanhamento médico especializado. Felizmente, os pais já compreendem que é um problema que escapa ao controlo dos filhos e vêm pedir ajuda.

Conselho da semana
Os pais podem ajudar as crianças com hiperatividade ou com dificuldades de concentração com alguns ‘truques’. Estas crianças podem tornar-se ainda mais distraídas com agendas diárias intensas. Por isso, a família deve simplificar e estabelecer uma rotina, sem a sobrecarregar, criar um espaço dedicado aos estudos, reduzir o tempo que esta passa no computador e garantir que dorme as horas necessárias.

Excesso de peso e mochila errada levam a problemas 
Uma mochila colocada incorretamente e com excesso de peso, diariamente, pode trazer consequências graves à coluna dos mais pequenos. Dores musculares e contraturas são as lesões mais comuns devido à falta de cuidado nesta matéria.

Desta forma, é conveniente que encarregados de educação e alunos tenham em atenção ao tamanho, peso e material da mochila, assim como a distância que a criança tem de percorrer, todos os dias, a pé.

Segundo os especialistas, o peso da mochila não deve ultrapassar 10% do peso corporal da criança; uma mochila mais pequena poderá ser mais vantajosa, para evitar material em excesso; vários compartimentos podem também ajudar na arrumação. O material mais pesado deverá ser colocado na vertical, encostado às costas. A mochila deve ainda ter duas alças largas e almofadadas.

Por último, os especialistas alertam que a mochila deve ser colocada ao centro da coluna e o tamanho não deve ultrapassar o nível superior dos ombros, prevendo uma utilização simétrica nos dois ombros.

Equipa multidisciplinar no tratamento 
O tratamento da hiperatividade e défice de atenção é realizado com recurso, na maioria das situações, a uma equipa multidisciplinar. "Neuropediatras e neurologistas são especialistas na perturbação mental, mas um psicólogo com treino em terapia cognitiva-comportamental pode também ajudar na intervenção", esclarece ao CM Nuno Lobo Antunes, neuropediatra.
Portugal Nuno Lobo Antunes Diretor do PIN-Progresso Infantil psicólogo questões sociais saúde
Ver comentários
Newsletter Diária Resumo das principais notícias do dia, de Portugal e do Mundo. (Enviada diariamente, às 9h e às 18h)