Barra Cofina

Correio da Manhã

Sociedade
6

Indígena brasileira diz que Portugal tem "dívida histórica" com povos nativos

Ativista defende que jovens portugueses têm agora a oportunidade de fazer a diferença.
Lusa 23 de Novembro de 2020 às 09:21
Samela Sateré-Mawé
Samela Sateré-Mawé FOTO: Instagram
A ativista indígena Samela Sateré-Mawé afirmou à Lusa que Portugal tem uma "dívida histórica" com os povos nativos do Brasil, face ao período dos descobrimentos, acrescentando que os jovens portugueses têm agora a oportunidade de fazer a diferença.

Os portugueses "tem uma dívida histórica com a gente. (...) Queria falar para o pessoal de Portugal que nós, povos indígenas, continuamos a resistir desde a invasão em 1500, há cerca de 520 anos, mas as pessoas têm agora uma oportunidade de fazer a diferença, no presente" disse a ativista de 24 anos, da etnia Sateré-Mawé, que se tornou numa das vozes femininas mais promissoras do ativismo indígena e ambiental brasileiros.

"O passado já passou, mas há a oportunidade de fazer diferente agora. Então, os jovens (portugueses) precisam de ser mais ativos, lutar pelas causas ambientais e pelos direitos dos povos indígenas", apelou Samela, que é membro do movimento estudantil 'Friday´s for Future' e da campanha SOS Amazónia.

A jovem indígena faz questão de recordar o sofrimento dos seus antepassados, que, a partir do contacto com os europeus, principalmente portugueses, devido à intensa exploração e ao avanço sobre os territórios brasileiros, foram dizimados.

Alguns estudos apontam que existiam no Brasil, antes da chegada dos portugueses em 1500, entre três a cinco milhões de indígenas, a maioria situada ao longo do litoral. Contudo, em 2010, ano do último censo, essa população era inferior a 900 mil indíviduos.

Foi na sua casa em Manaus, capital do Amazonas, que Samela, uma futura bióloga, recebeu a Lusa e mostrou o local onde diariamente grava os seus vídeos para as redes sociais, a sua principal ferramenta para mobilizar outros jovens em prol da causa ambiental e indígena.

Foi também nas traseiras de sua casa que as mulheres da etnia Sateré-Mawé montaram uma pequena unidade de produção de máscaras de proteção contra a covid-19, como forma de se sustentaram durante a pandemia.

Personalizadas com elementos indígenas, as máscaras, que começaram por ser vendidas em números bastante tímidos, são agora enviadas aos milhares para o estrangeiro, e um pouco por todo o Brasil, além de serem doadas diretamente para as populações ancestrais mais pobres.

Apesar dos seus 24 anos, Samela já tem bem delineadas as suas prioridades, e fazer frente ao atual Governo, de Jair Bolsonaro, está entre elas.

"Desde 2018 que este 'desgoverno' ataca os povos indígenas com um discurso sem precedentes, preconceituoso, sem escrúpulos. Ele (Bolsonaro) incentiva as pessoas a terem preconceito contra os indígenas, mas não tem em consideração que o Brasil foi construído através dos povos nativos. As mulheres foram violadas, entre outras coisas mais, para se poder ter toda essa diversidade que o país tem", disse.

"Não levar em consideração toda essa diversidade é um crime. Mas, mesmo assim, nós resistimos cada vez mais. Tentámo-nos impor nas redes sociais, ocupar todos os lugares, todos os ecrãs, todos os locais de tomada de decisão", frisou a ativista.

Segundo um estudo divulgado em setembro passado pelo Conselho Indigenista Missionário (Cimi), a violência contra as comunidades nativas do Brasil aumentou em 2019 durante o primeiro ano de mandato de Jair Bolsonaro, período em que cresceram os ataques e invasões das suas terras.

Contudo, apesar das ameaças externas, o estudo aponta o próprio Governo como o maior agressor dos povos indígenas, devido à sua omissão no dever de proteção e por disponibilizar os seus territórios aos empresários do agronegócio, mineração e extração madeireira.

Tal como tinha prometido na sua campanha eleitoral de 2018, quando disse que não daria "mais um centímetro" aos ancestrais, Jair Bolsonaro não demarcou nenhuma terra indígena. Além disso, devolveu ainda 27 processos de demarcação à Fundação Nacional do Índio (Funai), no primeiro semestre de 2019, para que fossem revistos.

"O Governo incentiva a criação de gado e soja, que é o que mais ocupa os territórios indígenas. O Brasil tem 13% de terras indígenas demarcadas. Para um país que tinha 100%, 13% é muito pouco e ainda pensam em rever esses números. São ataques atrás de ataques, e ainda incentiva garimpeiros, madeireiros, queimadas e grileiros a invadirem as nossas terras. Parece que não temos vez e voz", avaliou Samela.

"Somos silenciados, muitos parentes já foram mortos enquanto defendiam as suas terras. Aqui, no Amazonas, temos muito a questão da desflorestação e das queimadas. O Presidente ainda diz que são os próprios 'índios' - nem sequer usa o termo certo' - que queimam as suas terras. Isso não é verdade e as pessoas acabam por acreditar nele, porque confiam cegamente", lamentou a ativista.

Samela frisou, porém, que o preconceito contra os indígenas não é de agora, mas remonta ao período da colonização portuguesa, que levou à dizimação de grande parte dos nativos do Brasil.

"Nós, povos indígenas, sempre fomos inviabilizados. A invasão no Brasil já tem mais de 520 anos. Desde aí que sofremos vários tipos de preconceito e não temos acesso a todos os direitos garantidos pela Constituição, como acesso a uma saúde diferenciada. (...) A Educação muito menos", assegurou Samela Sateré-Mawé.

A jovem brasileira revelou ainda que sente na pele diariamente a discriminação por ser indígena, dando o exemplo da sua vizinhança, que raramente comunica com a comunidade Sateré-Mawé, por "medo, desconfiança, ou apenas preconceito".

Portugal Samela Sateré-Mawé Brasil questões sociais demografia emigrantes
Ver comentários