Barra Cofina

Correio da Manhã

Sociedade
9

Marcelo Rebelo de Sousa gostava de derrubar muros da desigualdade em Portugal

Presidente da República recordou os dias "sem dormir" quando assistiu à queda do Muro de Berlim.
Lusa 9 de Novembro de 2019 às 18:57
Marcelo Rebelo de Sousa
Marcelo Rebelo de Sousa
Marcelo Rebelo de Sousa
Marcelo Rebelo de Sousa
Marcelo Rebelo de Sousa
Marcelo Rebelo de Sousa
Marcelo Rebelo de Sousa
Marcelo Rebelo de Sousa
Marcelo Rebelo de Sousa
O Presidente da República recordou este sábado os dias "sem dormir" quando assistiu à queda do Muro de Berlim, há 30 anos, e defendeu que é preciso derrubar os muros da desigualdade e da pobreza em Portugal.

"Foi inesquecível. Vivi lá dias e noites sem dormir ininterruptamente porque era uma sensação de viragem histórica e todos sentiam isso", lembrou Marcelo Rebelo de Sousa, à margem da cerimónia de inauguração da sala D. João IV, no Palácio Nacional da Ajuda, em Lisboa, após a conclusão do restauro.

O Presidente recordou o reencontro das pessoas dos dois lados da Alemanha - divididas pelo muro durante décadas e que representou a separação entre o lado ocidental e o lado soviético - e de haver quem, como ele, ter ficado com "um pequeno pedaço do muro" como recordação.

"As pessoas tinham a sensação de que era viver um momento único na história daquele povo, que era um povo único, [embora] dividido", resumiu.

O Presidente da República, que estava em Berlim quando o muro começou a ser derrubado, na noite de 09 de novembro de 1989, afirmou que os 30 anos que se seguiram foram difíceis e que, ainda agora, há diferenças de desenvolvimento entre as regiões da Alemanha.

E foi nesta parte que admitiu que em todo o mundo, e até em Portugal, existem muros que precisam de ser derrubados.

"Que muros? Os muros da desigualdade e da pobreza, os muros da desigualdade económica social e cultural, os muros da incompreensão da intolerância cultural, os muros que agora estão a levantar-se outra vez, da exclusão daquilo que vem de fora, do que é diferente", descreveu.

A solução é, para o chefe do Estado, demolir esses muros, que de "tanto em tanto tempo erguem-se".

Ver comentários
Newsletter Diária Resumo das principais notícias do dia, de Portugal e do Mundo. (Enviada diariamente, às 9h e às 18h)