Barra Cofina

Correio da Manhã

Sociedade
9

Médicos contestam colocações impostas em regiões do Interior

Ministra da Saúde defende permanência no SNS após o curso.
Bernardo Esteves 17 de Dezembro de 2018 às 01:30
Médicos
Médicos
Médicos
Médicos
Médicos
Médicos
Médicos
Médicos
Médicos
Os médicos contestam a obrigatoriedade de permanecer no Serviço Nacional de Saúde após a conclusão do curso para serem colocados em regiões do Interior.

É uma reação à posição da ministra da Saúde Marta Temido, que defendeu, em entrevista ao DN/TSF, a permanência no SNS como forma de compensar o Estado pela formação ministrada.

A ministra descartou a hipótese de haver uma "imposição", mas disse que o Governo vai avançar com um decreto-lei em que haverá "a opção de, após a sua formação, as pessoas ficarem vinculadas [ao SNS] durante um período, que nunca poderá ser muito longo, e depois haverá a opção pela dedicação exclusiva, voluntária".

Jorge Roque da Cunha, do Sindicato Independente dos Médicos, afirma que "medidas coercivas de colocar médicos onde fazem falta parecem difíceis de entender, mas aguardamos a proposta".

O bastonário Miguel Guimarães diz que "obrigar a ficar no SNS por mais ou menos tempo não é boa opção". Já quanto ao regresso da exclusividade no SNS, ambos concordam.

"Foi o ministro Correia de Campos que acabou com a dedicação exclusiva, estamos disponíveis para que seja reposta", disse Roque da Cunha. O bastonário garante que propôs esta medida ao anterior ministro: "Ele disse logo que nem pensar, porque o ministro das Finanças não ia deixar."
Ver comentários
Newsletter Diária Resumo das principais notícias do dia, de Portugal e do Mundo. (Enviada diariamente, às 9h e às 18h)