Barra Cofina

Correio da Manhã

Sociedade
5

Médicos do Amadora-Sintra absolvidos

O Tribunal de Sintra absolveu esta quarta-feira os dois médicos que estavam acusados de má prática médica por negligência durante um parto realizado no Hospital Amadora-Sintra, no qual o bebé ficou com o crânio esmagado.
11 de Junho de 2008 às 11:21
Franscisco Madeira, um dos arguidos do processo
Franscisco Madeira, um dos arguidos do processo FOTO: Mariline Alves

O caso remonta a 2 de Março de 2002, quando Ana Gonçalves, grávida de alto risco, deu entrada pelas 03h00 no Hospital Amadora-Sintra, com ruptura da bolsa de águas. O bebé nasceu cerca de 12 horas depois com o crânio esmagado, depois da utilização de fórceps.

A investigação da Inspecção-Geral de Saúde (IGS) concluiu que o bebé ficou com o crânio esmagado devido à “má aplicação dos fórceps”.

Mas durante o julgamento, que começou em Abril de 2007, a procuradora do Ministério Público (MP) considerou que “não se pode afirmar que a médica (Ana Cristina Costa) tenha actuado dolosamente e que tenha violado a ‘legis artis’'. Já sobre o outro arguido, o médico Francisco Madeira, o MP revelou que 'não é possível saber de facto se o feto ainda estava vivo e não se considera que o arguido tenha violado qualquer dever de cuidado'. 

O juiz considerou não terem sido provados os factos que sustentavam a acusação, nomeadamente que a não opção de cesariana pela médica terá conduzido ao desfecho fatal do perto, nem que a utilização de fórceps tenha esmagado o crânio do bebé.

PAIS VÃO RECORRER

Os pais do bebé mostraram-se insatisfeitos com a sentença do Tribunal e já avisaram que pretendem recorrer. O advogado de acusação, António Pinto Pereira, considerou que 'é um dia de glória para a classe médica e um dia negro para a justiça'.

Ver comentários
Newsletter Diária Resumo das principais notícias do dia, de Portugal e do Mundo. (Enviada diariamente, às 9h e às 18h)