Barra Cofina

Correio da Manhã

Sociedade

Ministro da Saúde afasta encerramento de maternidades

O ministro da Saúde afastou esta terça-feira a possibilidade de encerrar alguma maternidade, ao dizer que "não há nada que esteja planeado" sobre a matéria.
14 de Fevereiro de 2012 às 13:48
Paulo Macedo, ministro da saúde, afastou a possibilidade de vir a encerrar alguma maternidade
Paulo Macedo, ministro da saúde, afastou a possibilidade de vir a encerrar alguma maternidade FOTO: Lusa

Paulo Macedo falava na Covilhã, na Beira Interior, uma das regiões onde o assunto tem gerado polémica, depois de em Novembro ter dito que "as maternidades que tiverem menos de 1.500 partos por ano, de acordo com os indicadores da Organização Mundial de Saúde, não deveriam estar a funcionar".

Na altura, o ministro admitiu que podia haver encerramentos que se justificassem.

Na Beira Interior, segundo dados de 2009 da Direcção Geral da Saúde (DGS), a Unidade Local de Saúde de Castelo Branco fez 473 partos, o Centro Hospitalar da Cova da Beira (CHCB) 594 e Unidade Local de Saúde da Guarda somou 690.

Paulo Macedo deslocou-se esta segunda-feira à Covilhã para dar posse ao novo conselho de administração do CHCB, presidido por Miguel Castelo Branco, e questionado pela agência Lusa sobre o tema, afastou qualquer hipótese de encerramentos.

À pergunta sobre se vai fechar maternidades, o ministro garantiu: "Não, não é nada que esteja planeado". “Neste momento não tenho qualquer prioridade sobre isso", acrescentou.

Os mais recentes dados da DGS, referentes a 2009, indicam que há 13 unidades no país com menos de 1.500 partos por ano.

No que concerne à Beira Interior, o ministro da Saúde defendeu esta terça-feira o reforço do polo de saúde que já existe na região.

O Governo entende que "há possibilidades claras de reforçar ainda mais os laços entre a Universidade da Beira Interior e o CHCB e que deve haver maior articulação entre as unidades hospitalares, os centros de saúde e os cuidados continuados".

A região conta com os hospitais da Guarda, Castelo Branco, Covilhã e Fundão, formando estes dois últimos o CHCB, estando ainda instalada na Covilhã a Universidade da Beira Interior e respectiva Faculdade de Ciências da Saúde.

Paulo Macedo admitiu que o polo possa implicar uma nova estrutura orgânica, mas desvalorizou o assunto: "Poderá acontecer, no entanto, neste momento, o que nos interessa é maior articulação. Depois temos que ver a forma, se passa por uma mudança orgânica ou não".

Durante a posse do novo conselho de administração do CHCB, o ministro referiu que este é "claramente um momento de grande exigência" para os administradores hospitalares, "que não tem tido paralelo nos últimos 40 anos, sobre como gerir com maiores restrições e dando o essencial às pessoas".

maternidade Paulo Macedo Ministro da Saúde Direcção Geral da Saúde DGS Miguel Castelo Branco Covilhã
Ver comentários
Newsletter Diária Resumo das principais notícias do dia, de Portugal e do Mundo. (Enviada diariamente, às 9h e às 18h)