Barra Cofina

Correio da Manhã

Sociedade

Mortes por overdose disparam em Portugal

No ano passado, o consumo de estupefacientes provocou 74 mortes. A maior parte foram homens.
Edgar Nascimento 8 de Dezembro de 2022 às 01:30
Registaram-se 1980 internamentos em comunidades terapêuticas
Registaram-se 1980 internamentos em comunidades terapêuticas
E m 2021 disparou o número de mortes por overdose em Portugal: 74 pessoas morreram vítimas do consumo excessivo de drogas. Face a 2020, foram mais 23 mortes (um aumento de 45 por cento, tinham sido 51 nesse ano) e foi o registo mais elevado desde 2009. A maior parte dos óbitos foram de homens (61). Por estupefacientes, a cocaína, com 37 casos, foi a droga mais mortífera, seguindo-se a metadona (30), opiáceos (29), canábis (17) e drogas sintéticas (2).

As overdoses por metadona foram as que mais aumentaram de 2020 para 2021 (+131%), seguindo-se a canábis (+89%) e cocaína (+41%). A média de idades dos mortos foi de 43 anos, abaixo da média de 2020 (46 anos), e na grande maioria (84%) das overdoses foi detetada mais do que uma substância.

Para além dos 74 óbitos por overdose, registaram-se outras 339 mortes por outras causas, com resultados toxicológicos positivos. Destas, 121 foram de morte natural, 121 resultado de acidente, 22 de causa indeterminada, 44 suicídios e 11 homicídios.

Os dados, que constam do Relatório Anual sobre a Situação do País em Matéria de Drogas e Toxicodependência em 2021, divulgado esta quarta-feira, mostram que houve uma subida no consumo de canábis entre os jovens, uma queda no consumo de heroína e um ligeiro aumento do consumo de cocaína.

A nível nacional, nos jovens de 18 anos, a prevalência de consumo de droga nos últimos 12 meses foi de 25,4%, com maior incidência no Algarve (30%) e Açores (27,5%). A canábis foi a mais consumida, por 23,8% dos jovens. Questionados sobre a prevalência de consumo de drogas ao longo da vida, 32% disseram já ter consumido.

No relatório, é referido que no ano passado havia 23 932 utentes em tratamento da toxicodependência (70 por cento tinham a heroína como consumo principal).

Registaram-se 1980 internamentos em comunidades terapêuticas e 440 em unidades de desabituação. 

PORMENORES

6378 processos

Em 2021 foram levantados 6378 processos de contraordenação ligados a droga. A maior parte (4807) foram por canábis, seguindo-se 707 por cocaína. Dos 6019 indiciados, 86% não eram toxicodependentes.

1459 condenados

O relatório refere que em 2021 houve 1459 condenações relacionadas com droga: 71% por tráfico e 29% por consumo.

“Novo ciclo nas condições de vida”

Na apresentação do relatório, o diretor do Serviço de Intervenção nos Comportamentos Aditivos e nas Dependências (SICAD), João Goulão, alertou para um “novo ciclo de deterioração das condições de vida dos portugueses”. “O uso de substâncias psicoativas tem uma interligação muito estreita com os níveis de saúde mental da população e com as circunstâncias de vida.” 
Portugal questões sociais dependência morte saúde
Ver comentários
C-Studio