Barra Cofina

Correio da Manhã

Sociedade
3

Mulher concretiza sonho de ser comandante de um navio da armada portuguesa

Oficial da marinha diz que nunca se sentiu discriminada na sua profissão.
8 de Março de 2017 às 07:57
Cátia Pacheco
Cátia Pacheco
Cátia Pacheco
Cátia Pacheco
Cátia Pacheco
Cátia Pacheco
Cátia Pacheco
Cátia Pacheco
Cátia Pacheco
Cátia Pacheco
Cátia Pacheco
Cátia Pacheco
Cátia Pacheco
Cátia Pacheco
Cátia Pacheco
Cátia Pacheco
Cátia Pacheco
Cátia Pacheco
Aos 30 anos, Cátia Pacheco concretizou o sonho de comandar um navio da Armada Portuguesa, e ao leme da lancha Orion cumpre há um ano a missão de fiscalização, busca e salvamento na costa portuguesa.

"Era um sonho antigo, o qual consegui concretizar dez anos depois de entrar para a Marinha Portuguesa", contou à reportagem da Lusa a oficial tenente Cátia Pacheco, a bordo da lancha Orion, ao largo da costa do Algarve.

O comando do navio da classe Centauro, com 27 metros de comprimento, foi-lhe confiado em 2016, tornando-se numa das oito comandantes de navios atualmente ao serviço da Armada Portuguesa.

"É uma grande honra e sinto-me feliz por ter conseguido esta função aliciante, um objetivo de qualquer oficial da Marinha, o de um dia comandar um navio", sublinhou.

Para Cátia Pacheco, que tem sob o seu comando uma guarnição de sete homens, "a vida de uma mulher na Marinha é normal e igual a outro qualquer trabalho, com as dificuldades normais do dia-a-dia, embora se sinta mais a ausência prolongada de casa".

"Esta missão faz-nos passar longos tempos fora de casa, mas sucede o mesmo noutros empregos, nomeadamente naqueles que são feitos por turnos", referiu a tenente, acrescentando que "os problemas vão-se resolvendo com o auxílio da guarnição".

Cátia Pacheco ingressou na Marinha em 2006 e nunca sentiu qualquer discriminação, motivada pela diferença de sexo, naquele ramo das forças armadas portuguesas, onde predomina o sexo masculino.

"Foi um ingresso pacífico e fui muito bem aceite, até porque já existiam mulheres na Marinha, uma prática comum há 25 anos, desde 1992", destacou.

O facto de ser a única mulher a bordo da embarcação sob o seu comando "não é difícil e até agora tem sido normalíssimo trabalhar e conviver com os homens".

Cátia Pacheco mantém a expetativa de continuar embarcada em unidades navais depois de terminar a missão de comando da lancha Orion em 2018, ficando o futuro entregue à decisão da Marinha.

Além disso, a tenente Cátia Pacheco mantém também o sonho de qualquer mulher: "Casar, ter filhos e, ao mesmo tempo, conciliar a vida familiar com a Marinha".

De acordo com o segundo comandante da Zona Marítima do Sul, Cardoso de Morais, lidar com o sexo feminino "é já uma prática enraizada na forma de estar dos militares da Marinha, não existindo qualquer preconceito ou discriminação".

Na opinião de Cardoso de Morais, a integração das mulheres tem sido feita de forma normal e sem problemas, reconhecendo, no entanto, que "ao início poderá ter existido algum entrave, situação que está ultrapassada nos dias de hoje".

"Não há nenhum problema hoje em dia. O trabalho das mulheres é bem visto, tem sido muito produtivo e profissional", destacou.

De acordo com os dados avançados por Cardoso de Morais, a Marinha tem atualmente 816 mulheres, representando cerca de 10% do efetivo, sendo 40% por cento de praças, 35% oficiais e 25% de sargentos.
Ver comentários
Newsletter Diária Resumo das principais notícias do dia, de Portugal e do Mundo. (Enviada diariamente, às 9h e às 18h)