Barra Cofina

Correio da Manhã

Sociedade
6

“Na Coreia do Norte é tudo fachada”

Escritor José Luís Peixoto fez de guia na segunda viagem ao país onde tudo é a fingir
23 de Setembro de 2013 às 01:00
José Luís Peixoto liderou grupo de turistas
José Luís Peixoto liderou grupo de turistas FOTO: JORGE PAULA

Terminou ontem, em Lisboa, a viagem que levou um grupo de 25 turistas portugueses à Coreia do Norte. Liderados pelo escritor José Luís Peixoto, que já vai na segunda deslocação a um dos países mais fechados do Mundo, o grupo de pioneiros portugueses aterrou no aeroporto de Lisboa com uma opinião generalizada: "Na Coreia do Norte é tudo fachada."

"Nota-se o logro com que nos querem fazer crer certas coisas. As fábricas não funcionam, a tecnologia não existe, as estradas estão vazias e a agricultura é de subsistência", relatou Firmino Madeira. José Fernandes é claro. "Na Coreia do Norte é tudo fachada. Fomos ao paralelo 38 [linha imaginária que divide as Coreias] e ouvimos a grande propaganda que nos mostraram", disse, sublinhando o apertado controlo de toda a visita: "Fomos sempre acompanhados por dois guias. Dizem o que podemos filmar e o que ver."

Nesta segunda viagem à Coreia do Norte, José Luís Peixoto encontrou algumas diferenças, destacando a maior abertura aos estrangeiros. "É uma abertura aos turistas que serve os interesses do regime", referiu o escritor, comentando o clima de tensão permanente vivido entre as duas Coreias: "Visitámos primeiro a Coreia do Norte e depois a do Sul. É uma sensação muito diferente da vivida no Ocidente. Lá, estas tensões são muito relativizadas no lado Sul. Conhecem o real poder da Coreia do Norte, que não é tão grande como as ameaças poderão levar a crer." 

josé luís peixoto escritor guia turistas coreia do norte viagem
Ver comentários
Newsletter Diária Resumo das principais notícias do dia, de Portugal e do Mundo. (Enviada diariamente, às 9h e às 18h)