Barra Cofina

Correio da Manhã

Sociedade

Novo comandante da GNR da Guarda afirma-se intolerante a atos racistas e xenófobos

Pedro Gonçalves destacou a "garantia do pleno respeito pelos direitos fundamentais e direitos humanos".
Lusa 9 de Dezembro de 2022 às 19:44
GNR investiga crime
GNR investiga crime FOTO: Nuno André ferreira
O novo comandante da GNR do Comando Territorial da Guarda assumiu esta sexta-feira, na tomada de posse, que não vai tolerar comportamentos ou atos de discriminação, racismo, xenofobia ou qualquer outro contra os direitos humanos.

"Alinhado com os desígnios do Comando Superior da Guarda, nomeadamente as linhas orientadoras previstas na Estratégia da Guarda 2025, pretendo que a minha ação de comando assente em dez eixos principais", começou por dizer o tenente-coronel Pedro Gonçalves.

Neste sentido, Pedro Gonçalves destacou a "garantia do pleno respeito pelos direitos fundamentais e direitos humanos, através de ações de formação interna e da exigência, permanente, de elevados padrões comportamentais na relação com o cidadão".

"Não tolerarei comportamentos ou atos de discriminação, racismo, xenofobia, ou qualquer outra forma que atente contra a dignidade humana e os direitos fundamentais", assumiu o novo comandante.

Também a "proteção das vítimas especialmente vulneráveis, sobretudo em contexto de violência doméstica e tráfico de seres humanos" será um dos pilares do seu comando na Guarda.

Frisou, igualmente, a "manutenção dos reduzidos índices da criminalidade registada no distrito, sobretudo a violenta e grave" e também a "redução da sinistralidade em ambiente rodoviário e com máquinas agrícolas", assim como a proteção da natureza e ambiente.

Para isso, sublinhou, conta com os militares do seu comando territorial, com formação interna e com "ações de proximidade junto das populações" tanto em "ações de sensibilização e informação" como na "fiscalização e repressão" de comportamentos e condutas de risco.

O comandante também mostrou interesse na "aproximação do pessoal no ativo aos militares e civis na situação de reserva e reforma, como forma de estreitar os laços da família" da GNR e "sinalizar situações passíveis de intervenção social".

Uma intervenção que quer "oportuna e eficaz" e que "permita assegurar o apoio devido, de forma personalizada e discreta, respeitando a intimidade e a dignidade dos seniores [da GNR] que se encontrem em situação de fragilidade".

"Melhoria das condições de trabalho, sobretudo no que respeita a instalações e viaturas, dando continuidade ao que até aqui foi feito pelos meus antecessores", prometeu o novo comandante.

Pedro Gonçalves não poupou elogios aos seus antecessores, de quem disse ter recebido uma "grande e pesada herança" que quer "estar à altura de dar continuidade, e em especial ao comandante cessante, Luís Rasteiro, com quem trabalhou e que vai agora para a reserva.

O Comandante-geral da GNR, tenente-coronel José Santos Correia, que presidiu à cerimónia, também não poupou elogios ao comandante cessante e a todos os militares do comando territorial da Guarda.

"Com enorme elevação, qualidade, brio e orgulho têm zelado diária e permanentemente pelo cumprimento das missões, conseguindo adaptar-se às necessidades e circunstâncias por forma a exercerem perante os desafios legítimos e anseios propostas pelas comunidades", enalteceu.

Santos Correia sublinhou ainda o "contexto social e económico" que se vive e destacou o trabalho dos militares da GNR e a "importância do trabalho de proximidade e de confiança" junto das populações, em especial as mais vulneráveis".

"Muito importante são as ações desencadeadas junto das vítimas de violência, em particular as vítimas de violência doméstica, sendo este um dos tipos de crime que mais preocupa a nossa instituição", reconheceu o comandante-geral da GNR.

GNR Racismo Questões sociais Guarda
Ver comentários
C-Studio