Barra Cofina

Correio da Manhã

Sociedade
8

Novo coronavirus fica um mês em notas, telemóveis e aço devido a temperaturas mais baixas, revela estudo

Investigador destaca que o vírus "é resiliente" e só perde longevidade em temperaturas superiores a 30º.
Correio da Manhã 11 de Outubro de 2020 às 21:10
Telemóvel
Telemóvel FOTO: Getty Images
O novo coronavírus pode ficar ativo até 28 dias, e com capacidade de transmissão, em superfícies como notas, ecrãs de telemóvel ou aço, revela um novo estudo da australian Commonwealth Scientific and Industrial Research Organisation (CSIRO).

Segundo a investigação, o cornavírus responsável por causar a Covid-19 permanece mais tempo nestas superfícies em baixas temperaturas.

"Os nossos resultados mostram que o SARS-CoV-2 pode permanecer infecioso em superfícies durante longos períodos de tempo, por isso é importante reforçar a necessidade de boas práticas e medidas de higiene, como a lavagem de mãos regular e a limpeza de todas as superfícies", explicsa o Sr. Ebbue Eagles, diretor do Centro Australiano de Resposta a Doenças.

"Com 20º, temperatura ambiente, verificámos que o vírus é extremamente robusto, sobrevivento até 28 dias em superfícies lisas, como os vidros dos ecrãs de telemóvel e outros dispositivos, ou nas partes com plástico de algumas notas", adianta o investigador, que compara o novo coronavírus ao vírus da gripe comum, que permanece nestas superfícies até 17 dias. "Assim se vê que é muito resiliente", explica o especialista.

Segundo relatou ao Daily Mail Austrália, o reponsável clarifica ainda que "quando as temperaturas excedem os 30º, verificou-se que o tempo de vida ativa do vírus é reduzido de forma significativa".
Mais informação sobre a pandemia no site dedicado ao coronavírus - Mapa da situação em Portugal e no Mundo. - Saiba como colocar e retirar máscara e luvas - Aprenda a fazer a sua máscara em casa - Cuidados a ter quando recebe uma encomenda em casa. - Dúvidas sobre coronavírus respondidas por um médico Em caso de ter sintomas, ligue 808 24 24 24
Commonwealth Scientific and Industrial Research Organisation CSIRO ciência e tecnologia questões sociais
Ver comentários