Barra Cofina

Correio da Manhã

Sociedade

Pai quer pagar pensar de alimentos em géneros porque a mãe “não faz uma boa gestão do dinheiro”

Tribunal da Relação de Coimbra rejeitou a pretensão.
Paula Gonçalves 4 de Julho de 2022 às 08:57
Decisão da Relação de Coimbra
Decisão da Relação de Coimbra
O Tribunal da Relação de Coimbra rejeitou a pretensão de um pai que recusava pagar o valor estipulado da pensão de alimentos à filha, de quatro anos, com o argumento de que o tinha já feito através da entrega de géneros, porque a mãe da menor “não faz uma boa gestão do dinheiro”.

Os juízes desembargadores consideram que o progenitor não pode substituir a obrigação do pagamento em dinheiro por géneros, sem o acordo da mãe da criança, e mantiveram a decisão de primeira instância do Juízo de Família e Menores da Figueira da Foz.

“A prestação de coisa diversa da que for devida, embora de valor superior, só exonera o devedor se o credor der o seu consentimento”, refere o acórdão.

No âmbito do acordo das responsabilidades parentais, o homem está obrigado ao pagamento de uma pensão de 150 euros. O pai da menor alegava não ter feito a transferência desse valor durante três meses, por ter feito a entrega de quantias, assim como “géneros alimentares e outros”.

Tribunal da Relação de Coimbra crime lei e justiça crime lei e justiça justiça e direitos tribunal
Ver comentários
}